PUBLICIDADE
Vida & Arte
NOTÍCIA

O que você precisa saber sobre a Berlinale 2021

00:03 | 12/02/2021
Devido à pandemia, Festival de Cinema de Berlim acontecerá em duas etapas. Entre os destaques, está estreia do ator Daniel Brühl na direção e documentário sobre Tina Turner.Foram revelados nesta quinta-feira (11/02) os filmes que irão integrar a competição principal da Berlinale, o festival internacional de cinema de Berlim. O anúncio foi feito através de uma coletiva de imprensa online concedida por Mariette Rissenbeek, diretora do evento, e o diretor artístico Carlo Chatrian. Ao total, 15 filmes estão na disputa pelo Urso de Ouro, uma seleção que envolve tanto cineastas consagrados como dois novatos. Alemanha no centro das atenções Neste ano, a Alemanha está representada com quatro diretores. O astro Daniel Brühl, que protagonizou Adeus, Lênin! em 2003, estreia agora como diretor: Next Door, seu projeto pessoal, tem como pano de fundo o bairro gentrificado berlinense de Prenzlauer Berg, onde o ator vive. Já Maria Schrader, que também iniciou sua carreira como atriz, não chega a ser principiante na direção. Mais conhecida internacionalmente pela minissérie Nada Ortodoxa, da Netflix, ela concorre agora com I Am Your Man, uma comédia romântica sobre o amor entre um robô e uma mulher, com Maren Eggert e a premiada atriz Sandra Hüller (As Faces de Toni Erdmann) como protagonistas. Dominik Graf, por sua vez, adaptou para o cinema um romance clássico de 1931: Fabian oder der Gang vor die Hunde, de Erich Kästner, virou simplesmente Fabian, uma história de amadurecimento ambientada em Berlim, pouco antes dos nazistas chegarem ao poder. Por último, Maria Speth apresenta seu longa Mr. Bachmann and His Class – segundo Carlo Chatrian, um "documentário épico e íntimo ao mesmo tempo" que a diretora filmou em uma escola de Hesse. Estrelas internacionais do cinema artístico Além dos quatro filmes alemães, contribuições de outros 15 países, incluindo várias coproduções, também estão representadas na competição. Uma delas é Petite Maman, da francesa Celine Sciamma, que fez sucesso com Retrato de uma Jovem em Chamas (2019). Outra é Introduction, do sul-coreano Hong Sang-soo, que participa mais uma vez da Berlinale. O diretor romeno, Radu Jude (Aferim!), detentor de um Urso de Prata, também está de volta com Bad Luck Banging or Loony Porn. Outro ex-vencedor do Urso de Prata, o diretor mexicano Alonso Ruizpalacios (Museu), concorre desta vez com o filme A Cop Movie, que mescla documentário e ficção para retratar o trabalho da polícia no México. O Irã, que no ano passado levou o Urso de Ouro com There Is No Evil, do cineasta Mohammad Rasoulof, está mais uma vez representado com BalladofaWhiteCow, de Behtash Sanaeeha e Maryam Moghaddam. Eventos ao vivo no tapete vermelho só em junho A pandemia de coronavírus trouxe várias mudanças para a Berlinale deste ano. A começar pela data: tradicionalmente realizado em fevereiro, o festival teve que ser adiado e dividido em dois eventos separados. "Cancelar a Berlinale simplesmente não era uma opção para nós", disse Mariette Rissenbeek durante a coletiva de imprensa nesta quinta-feira, acrescentando que, após meses de cinemas fechados devido à pandemia, um grande número de cineastas estava "urgentemente" precisando de uma plataforma para divulgar seu trabalho. De 1º a 5 de março, a seleção principal da competição, assim como filmes de outras seções estabelecidas do festival, será exibida online durante um evento restrito a pessoas diretamente ligadas à indústria cinematográfica. Partindo do pressuposto que a situação de covid-19 estará sob controle até o meio do ano, uma edição "Especial de Verão" permitirá ao público acompanhar a seleção do festival nas salas de cinema e desfrutar de exibições no tapete vermelho e eventos de gala, incluindo a cerimônia de premiação. Tudo isso está programado para acontecer de 9 a 20 de junho. Estrelas na seção Berlinale Special A Berlinale Special, outrao segmento do festival anunciado na quinta-feira, apresentará vários filmes com o potencial de trazer estrelas para o tapete vermelho. Entre eles está Tina, um documentário sobre a cantora Tina Turner, e French Exit, uma comédia surreal estrelada por Michelle Pfeiffer. Michael Caine, por sua vez, estrela em Best Sellers, enquanto Jodie Foster e Benedict Cumberbatch contracenam em The Mauritanian, e Natalie Morales, em LanguagesLessons. Conhecida por ser um festival político, a Berlinale deste ano também apresentará neste mesmo segmento títulos com foco em questões atuais, incluindo Courage, um documentário sobre a situação em Belarus, e WhoWeWere, sobre questões ecológicas. Um júri premiado Embora os prêmios só sejam entregues em junho, os filmes vencedores já estarão decididos em março. O júri nomeado para a competição principal deste ano é composto por seis diretores, todos ex-vencedores do Urso de Ouro no passado: Mohammad Rasoulof (Irã), Nadav Lapid (Israel), Adina Pintilie (Romênia), Ildiko Enyedi (Hungria), Gianfranco Rosi (Itália) e Jasmila Zbanic (Bósnia e Herzegovina). Mesmo com uma programação reduzida devido à pandemia, o festival online manteve seus antigos segmentos, incluindo Berlinale Special & Berlinale Series, Encounters, Berlinale Shorts, Panorama, Forum & Forum Expanded, Generation e Perspektive Deutsches Kino. Encounters é outra sessão competitiva inaugurada em 2020. Ela tem como objetivo "apoiar novas vozes no cinema e dar mais espaço às diversas formas narrativas e documentais na seleção oficial". Neste ano, ele é composta por 12 títulos de 16 países, dos quais sete são estreias. Uma retrospectiva do apogeu da comédia maluca de Hollywood Outro segmento tradicional do festival é a Retrospectiva, que também fará parte da programação deste ano. A seleção de 2021 se concentra em filmes que foram feitos quando Hollywood impôs um conjunto de regras de moralidade conhecido como Código de Produção Cinematográfica, apelidado de "Código Hays". Adotado em 1934, o código proibia representações de sexo, promiscuidade e profanação. As atrizes Mae West, Rosalind Russell e Carole Lombard, entretanto, encontraram maneiras de subverter sutilmente essas regras, levando ao florescimento do gênero de comédia maluca. Autor: Elizabeth Grenier
TAGS