Participamos do

Ataque hacker ou performance? Instagram do Dragão do Mar é "invadido" nesta segunda-feira

Na noite desta segunda, o perfil do Dragão do Mar começou a publicar posts com caracteres dispostos em códigos em fundos pretos, comuns em caso de ataques hackers
21:50 | Jul. 27, 2020
Autor Matheus Facundo
Foto do autor
Matheus Facundo Repórter do portal O POVO Online
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Por volta das 18 horas desta segunda-feira, 27, o Instagram do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura iniciou uma série de publicações que indicavam a possibilidade de a conta ter sido hackeada. Os posts consistem em caracteres dispostos em códigos em fundos pretos, comuns em caso de ataques hackers. Em uma das imagens, porém, uma espécie de aviso estava escondido: "Hoje21hAoVivo"

Afinal, a conta foi hackeada ou se trata algum tipo de intervenção artística? Usuários da rede social fizeram questionamentos nos comentários. Algumas das publicações continham inscrições em código morse, um sistema de representação de letras, algarismos e sinais de pontuação por meio de codificação. "No porto do Ceará não embarcam mais escravos", diz o texto codificado.

Uma outro código morse também estava "escondido" no suposto ataque hacker: "Entrem hoje 21h no ao vivo desse perfil. Iremos revelar muitos podres descobertos nos e-mails desta instituição". Foi utilizado ainda o código binário para transmitir a mensagem: "Vocês já estão com o roteiro em mãos? 21h começamos a lançar todo o material numa live. Aqui. Estamos no comando agora".

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Invasão ou performance?

A "invasão", na verdade, se tratava de um ação do Siará Quilombo, criado por meio do grupo de teatro periférico Nóis de Teatro, do bairro Bom Jardim, em Fortaleza. O coletivo busca fortalecer o trabalho de artistas negros do Ceará, e aposta na arte e na comunicação como forma de enfrentamento ao racismo e de debate sobre o protagonismo preto na produção cultura brasileira. A live contou com a participação do grupo Nóis de Teatro.

"Algo de novo está se projetando numa nova imagem. Tudo preto, tudo escuro. Só haverá um sinal que indica uma luz no fim do caminho. Saída de emergência! Reintegração de posse. O navio foi tomado pelos piratas da chamada terra da luz. No porto do Ceará não embarcam mais escravos. No mar de dragões, não embarcam mais tubarões brancos. Reintegração de posse, o navio foi tomado, o navio foi tomado!", disse uma voz no início da transmissão ao vivo.

Após a fala inicial, uma tela de computador apareceu e começaram a ser escritas hashtags contra o racismo e com críticas ao Instituto Dragão do Mar: "#vidasnegrasimportam #todavidaimporta #siaráquilombo #dragãoracista #ficatelma #navegações #pagadragão #ficababu #forabolsonaro #ocupaçãopreta #navionegreiro".

Durante a live, foram realizados monólogos, leitura de textos e performances antirracistas. O objetivo do momento foi realizar uma ocupação do Instagram do Dragão do Mar por artistas negros. O Siará Quilombo ocupa o perfil desde o início de julho com transmissões ao vivo e rodas de conversa.

Assista à intervenção completa:

 

Colaborou Lígia Grillo/Especial para O POVO

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar