PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Projeto cearense ganha prêmio no Festival de Brasília

"Pajeú", de Pedro Diógenes, foi exibido na mostra Futuro Brasil, para trabalhos em processo

28/11/2019 12:46:32
Premiação do Ambiente de Mercado
Premiação do Ambiente de Mercado (Foto: Paula Carrubba/Divulgação )

O projeto de um filme cearense "sobre esquecimento" saiu vencedor de um dos prêmios da mostra Futuro Brasil, que compõe a programação do 52° Festival de Brasília de Cinema Brasileiro e é voltada para projetos ainda em processo de finalização. "Pajeú", dirigido pelo cineasta Pedro Diógenes, conquistou na noite de encerramento da mostra paralela, nesta quarta, 27, o prêmio Prime Box Brazil, oferecido pelo canal de TV fechada.

A Mostra Futuro Brasil ocorreu dentro de uma programação paralela à competitiva principal de Brasília, o 3° Ambiente de Mercado. Os projetos selecionados na mostra são sempre filmes ainda não finalizados, cujos cortes exibidos serão ainda retrabalhados. As sessões são para convidados e as premiações concedidas ajudam na finalização. Neste ano, foram seis os projetos. Além deles, o Ambiente de Mercado também recebe pitchings de futuros projetos.

"Pajeú", como explicou Pedro em entrevista ao O POVO na manhã de hoje, 28, "(fala) sobre o Riacho Pajeú, que foi fundamental para Fortaleza existir e crescer e hoje foi esquecido". "É um filme que parte desse esquecimento para falar de alguns outros. É bem particular, bem Fortaleza, e foi bom ver como um olhar estrangeiro reage a ele", afirma, referenciando os convidados de fora do País que participaram da exibição.

O prêmio Prime Box Brazil, explica Pedro, concede apoio financeiro para a finalização do projeto e ainda garante a exibição de "Pajeú" na grade do canal fechado. "Vai ajudar a finalizar, a fazer as etapas ainda não concluídas, de mixagem de som e edição de cor, por exemplo. (A exibição na TV) é uma coisa importantíssima, atinge muita gente", considera.

Em 2017, outro filme dirigido por Pedro, em parceria com Guto Parente, participou da Mostra Futuro Brasil. "Inferninho" saiu naquele ano como o grande vencedor da paralela e teve a finalização garantida pelo prêmio. Nesta semana, o longa figurou no topo da lista de filmes cearenses essenciais proposta pela Associação Cearense de Críticos de Cinema.

Já de volta a Fortaleza, Pedro avalia a edição do Festival de Brasília de 2019 como boa para o filme, mas "estranha". "Teve a coisa da censura no primeiro dia. Tive muitas conversas com realizadores de Brasília e do Distrito Federal e eles falaram de todo um descaso e um desmonte que está rolando com a cultura lá. Foi um festival um pouco com esse clima", avalia. O caso da abertura do evento ao qual o diretor se refere é o do discurso não programado do ator Marcelo Pelucio, que teceu críticas aos cortes na cultura no Distrito Federal. Inicialmente, um segurança fez menção de retirar o ator do palco, mas foi dissuadido por uma produtora. Depois, o microfone teve o som cortado. O secretário de Cultura e Economia Criativa do DF Adão Cândido foi vaiado na ocasião.

Na noite de hoje, 28, outra produção cearense será exibida. "Marco", de Sara Benvenuto, integra a mostra competitiva de curtas no festival. O filme já participou de festivais em Fortaleza como o Cine Ceará e no For Rainbow. A participação do Estado em Brasília contou ainda com o documentário "Soldados da Borracha", de Wolney Oliveira, exibido na quarta, 27, na mostra Território Brasil.

Confira lista dos premiados no 3° Ambiente de Mercado

MELHOR FILME FUTURO BRASIL: "A Matéria Noturna" (ES), de Bernardo Lessa

PRÊMIO PRIME BOX BRAZIL: "Pajeú" (CE), de Pedro Diógenes

MELHOR PITCHING: "Marapaguá", da Chica's Produções (RS), de Milton Martins e Paola Martins

PRÊMIO FRAPA: Rio2C (1 credencial) a Paola Martins

PRÊMIO RIO 2C - menção honrosa: "Pequeno Armagedom", de Druzina Content (RS)

DOTCINE: Rejeito (LL Mecchi Produções/Pedro De Fillipis)

O repórter João Gabriel viajou para Brasília a convite do evento