PUBLICIDADE
Vida & Arte
protesto

Universidade interfere em desenho de mulheres nuas e artista cearense retira obra da exposição

21:55 | 17/10/2017
Desenhos censurados pela Unifor
Simone Barreto foi convidada para expor o trabalho "Todas as Coisas Dignas de Serem Lembradas" pelo curador Ivo Mesquita (Foto: Reprodução / Facebook / Simone Barreto)
 
O curador Ivo Mesquita selecionou 18 artistas cearenses para a XIX Unifor Plástica. No entanto, a edição que tem como tema "Uma constelação para Sérvulo Esmeraldo" foi aberta na noite desta terça-feira, 17, na Universidade de Fortaleza (Unifor), com uma ausência. Convidada para expor o trabalho "Todas as Coisas Dignas de Serem Lembradas", a artista Simone Barreto afirma que dois de seus 33 desenhos que abordam o corpo da mulher, desejo e sexualidade foram censurados. Ela optou por retirar da exposição toda a obra.
 
Em entrevista ao O POVO Online, Simone conta que montou a vitrine com seus trabalhos no último sábado, 14. No domingo, 15, ainda segundo a artista, representantes da Universidade teriam pedido que ela sinalizasse a classificação indicativa da obra. No dia seguinte, no entanto, lhe foi pedido que os dois desenhos fossem retirados ou trocados por outros. Em uma das figuras em questão, duas mulheres fazem sexo. Na outra, uma delas está com tinta vermelha simbolizando a menstruação. Simone recusou mudar os desenhos, justificando que a obra não faria sentido montada de outra forma.
 
"Eles disseram que eu poderia escolher outro desenho, virar a página. Para eles é muito simples, mas esse é o objeto do meu trabalho", afirma. "É sobre esse corpo negligenciado que todo mundo já vira a página todos os dias. É um corpo que não pode ser visto, não pode ser debatido. Não é a mulher idealizada e objetificada pelo homem. É um corpo que tem sangue, pelo e cicatriz". 
 
Desenho censurado pela Unifor
A obra de Barreto é formada por 33 desenhos (Foto: Simone Barreto)
Nesta manhã, 17, Simone diz que encontrou a vitrine onde seus cadernos estavam dispostos em local "escondido". "Eles disseram que os cadernos só ficariam lá se eu tirasse os desenhos. E o pior: eles cobriram. Deixaram só a cabeça de fora", relata.
Simone diz que a Universidade "interferiu diretamente" na obra. "Faculdade e museu são lugares de pensamento crítico, de discussão e arte", continua. "Mas disseram que a universidade é um lugar que recebe crianças, tirando o corpo de discussão". Ainda nesta noite, durante abertura da mostra, um grupo protestou contra a situação. Pelo menos dois artistas retiraram suas obras também em protesto.
 
Protesto
Grupo protesta contra decisão da Unifor. Pelo menos dois artistas retiraram obras em protesto (Foto: Tatiana Fortes)
 
Contatado, o curador Ivo Mesquita diz que acompanhou as "negociações" e que a decisão foi da Universidade. "Eu só posso lamentar essa situação desagradável". Ivo pediu para que a reportagem retornasse o contato uma hora depois, mas as ligações não foram mais atendidas. O curador é ex-diretor do Museu de Arte Moderna (MAM) na capital paulista e, em Fortaleza, fez a curadoria das primeiras mostras do Museu da Fotografia.
 
O POVO Online pediu para falar com dirigentes da Unifor que acompanham o evento, mas a assessoria de imprensa informou que só responderia por nota. Não houve retorno até a publicação desta matéria.
 
 

RUBENS RODRIGUES