PUBLICIDADE
Moda & Beleza
MODA

Interview com o fotógrafo de street style Leo Faria

O brasileiro capta as tendências das principais semanas de moda internacionais

11:51 | 17/09/2017
Leo Faria é fotógrado de street style há cinco anos FOTO DIVULGAÇÃO
 
Presente nas principais semanas de moda pelo globo, Leo Faria, fotógrafo há 12 anos, é o nome quente do street style, autor de dois perfis no Instagram (@leofaria e @streetstylemood) recheados de ideias frescas de estilo. Algumas delas até ganharam destaque na São Paulo Fashion Week (SPFW) N44, com a exposição Equals, em agosto passado, na Bienal de São Paulo, onde bateu papo exclusivo com o Moda & Beleza. Confira!
 
Como fotógrafo de moda, o que chama tua atenção nas ruas?
O que me atrai são pessoas estilosas, mas que realmente carreguem um estilo. Não busco só a beleza, mas o que elas passam. Às vezes, tem uma pessoa linda, mas parece que ela está carregando uma roupa que é um personagem. Isso, para mim, não funciona. Quando a pessoa está “fantasiada”, dá para perceber que aquilo não é real. É preciso passar verdade no estilo. Isso faz com que eu clique a pessoa e goste daquilo.
 
Então é algo mais crítico do que intuitivo...
Sim. Sigo muito um senso de beleza, independe de a pessoa ser baixa, gordinha... Vai do feeling mesmo, do que eu sentir como verdade naquele look, naquele estilo que a pessoa quer expressar.
 
SPFWN44 - Costanza Pascolato na exposição Equals, de Leo Faria FOTO REPRODUÇÃO/INSTAGRAM
 
Imaginamos que tenha milhões de fotos, como foi chegar ao resultado da Equals?
Tenho! (Risos). A ideia da exposição é meio que um protesto, para mostrar que todos são iguais, independente da cor da pele, da raça, da cultura... Em tempos de muita selfie, com novas celebridades o tempo todo, trouxe minha linguagem, tirando a identidade das pessoas. Por exemplo, tenho uma foto com uma negra e uma coreana, mas quando tiro a pele delas, e transformo-a em rosa ou azul, elas são iguais. Outra que vale observar é uma com Anna Wintour. Se você notar bem, há um mendigo na foto e os dois, ele e a editora de moda, têm a mesma pele.
 
De brasileiras, quem você gosta de fotografar por aí?
Gosto muito da Helena Bordon. Enquanto, hoje, as pessoas escondem-se por trás de muita maquiagem, cílios, óculos escuros, um exagero de produção, ela é muito natural, muito real, além de bastante segura até para fotografar. Se fizer dez fotos dela, ela gosta das dez. Ela é muito natural e a minha foto também, verdadeira, sem Photoshop!
 
O que você viu de bacana nesta edição da SPFW?
Ah, o visual das modelos sempre me chama atenção, como o da Celina (Locks), Bárbara Fialho, Babi Berger... Várias modelos! O street com elas é bem legal porque, quando não estão na passarela, elas são reais como todo mundo. A roupa que elas usam para vir até o desfile já é legal.
 
@caropita FOTO REPRODUÇÃO/INSTAGRAM
Muitas vezes, é as fotos de street style que ditam as próximas tendências...
Com certeza. O street style influencia muito a passarela. É uma realidade que acompanho de perto, durante as semanas de moda internacionais. Funciona como um termômetro para as próximas apostas. Em Milão, por exemplo, vejo que as pessoas estão usando muito uma determinada peça e, tempos depois, você vai ver que essa peça entrou na coleção de marcas no Brasil e internacionais também. A pochete, por exemplo, ela não voltou logo nas passarelas, ela foi vista nas ruas para só então fazer parte das coleções de moda.
 
@aliciakuczman FOTO REPRODUÇÃO/INSTAGRAM
 
@celinalocks FOTO REPRODUÇÃO/INSTAGRAM

JULLY LOURENçO