PUBLICIDADE
Economia
NOTÍCIA

Prognóstico para safra de grãos no Ceará melhora em fevereiro, mas ainda representa queda de 39%

De acordo com o IBGE, a produção de grãos cearense deve cair de 794,4 mil toneladas em 2020, para expectativa de 485,2 mil toneladas

Samuel Pimentel
12:04 | 11/03/2021
No assentamento Palmares, em Crateús, estratégias de convivência com o semiárido suprem a agricultura de sequeiro. (Foto: Aline Oliveira/ Comunicação MST)
No assentamento Palmares, em Crateús, estratégias de convivência com o semiárido suprem a agricultura de sequeiro. (Foto: Aline Oliveira/ Comunicação MST)

O resultado da segunda parcial do ano do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) para 2021 revela que a expectativa é que o Ceará produza 485,2 mil toneladas de grãos neste ano. Essa representa uma alta de 0,49% ante a primeira parcial do ano, em janeiro, porém, comparado ao que foi a safra de grãos obtida em 2020 (794,4 mil toneladas), há queda de 38,8%.

De acordo com o LSPA, diferentemente de 2020 e 2019, quando, no mês de fevereiro, agricultores já começavam as primeiras colheitas na roça, neste ano ainda não houve produção, pois o ano se iniciou com poucas chuvas em todo o Estado, conforme noticiado. "Agricultores relataram impacto na produção, pois as chuvas em dezembro/2020 e janeiro/2021 ficaram quase 60% abaixo da média histórica", diz o relatório.

O LSPA ainda aponta que, em fevereiro, três produtos do grupo de cereais, leguminosas e oleaginosas tiveram aumento na expectativa de produção: feijão-de-corda 1ª safra sequeiro, feijão-de-corda 2ª safra irrigado e milho grão sequeiro 1ª safra. Nos municípios de Maranguape, Maracanaú, Caucaia e Guaiúba houve elevação na expectativa de produção tanto do feijão-de-corda 1ª safra sequeiro quanto do milho grão sequeiro 1ª safra, pois os produtores estão esperançosos que as chuvas possibilitem maior rendimento.

O ponto negativo fica por conta da redução nas expectativas de produção do arroz de sequeiro 1ª safra, fava e milho irrigado 2ª safra. "A redução na expectativa da fava ocorreu devido à redução da área e da expectativa de rendimento. Com a escassez das chuvas de pré-estação, os produtores que plantaram inicialmente, perderam e replantaram em uma área menor em Guaiúba", diz o relatório. "Já a redução da expectativa de rendimento ocorreu em Milagres, pois, como a fava possui um período maior entre o plantio e a colheita, a escassez de chuvas na pré-estação desanimou os agricultores, que diminuíram a esperança de maior rendimento para 2021", completa.

No resultado nacional, a expectativa é de mais um ano de safra recorde, com a produção de 263,1 milhões de toneladas em 2021.