Participamos do

Novo presidente da Anfavea mira na competitividade

Márcio de Lima Leite confirmou para terça-feira uma reunião da nova Diretoria da Anfavea e um grupo de CEOs das montadoras no Brasil com o ministro da Economia, Paulo Guedes. A pauta inclui a pressão pela redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), uma pauta que interessa diretamente ao Nordeste
15:29 | Mai. 02, 2022
Autor Jocélio leal
Foto do autor
Jocélio leal Editor-chefe dos núcleos de Economia e Negócios (Veículos, Imóveis e Empregos&Carreiras)
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O novo presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Márcio de Lima Leite, afirma que as montadoras têm como maior desafio buscar competitividade. Perguntado pelo Blog sobre a possibilidade de novas montadoras decidirem não mais fabricar no Brasil, como fez a Ford em janeiro de 2021, ele minimizou o tema. "Não podemos olhar a montadoras apenas como montagem de veículos. Este ecossistema é um combinado de ações, de inteligências e de competitividade para o País".

No caso específico da Ford, disse Márcio, a montadora "tem presença relevante e robusta e um novo olhar do que é o conceito de industrialização". Para ele, o conceito inclui conceito de desenvolvimento, engenharia e pesquisa. "Isso me parece que a Ford tem privilegiado e tem encontrado no Brasil terreno muito fértil para isso".

Uma das bandeiras da Associação é a inspeção veicular, para tirar das ruas os carros mais antigos e sem condições de tráfego. Menos carros antigos, mais vendas de novos. Esta é a estratégia.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Ele destacou a capacidade instalada para produzir 4,5 milhões de unidades - embora com mais de 50% ociosa desde o início da pandemia - e também a possibilidade de entrar em outros mercados. No ano passado, 350 mil carros deixaram de ser fabricados no País. Este ano, já 100 mil não foram montados. “Desafio é competitividade da porta para fora. Temos produtos competitivos em qualquer país do mundo”, disse na posse. “Temos produtos que são desejados.”

O novo presidente não se deteve na crise dos semicondutores, um problema mundial. Ele alertou para a necessidade de manter vivo o chamado “ecossistema de fornecedores”. Segundo ele, são 98 mil empresas que vivem dentro desse “ecossistema”.

Ele confirmou para terça-feira uma reunião da nova Diretoria da Anfavea e um grupo de CEOs das montadoras no Brasil com o ministro da Economia, Paulo Guedes. A pauta inclui a pressão pela redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), uma pauta que interessa diretamente ao Nordeste.

A propósito, as transferências constitucionais de Fundo de Participação dos Estados (FPE) e Fundo de Participação dos Municípios (FPM) - a base das finanças de muitas prefeituras - depende do IPI. Corresponde a 22,5% da arrecadação líquida do Imposto de renda e do IPI.

Como vem ponderando a Anfavea há alguns anos, o novo presidente advertiu para a transição para os carros elétricos. Ele lembrou que o Brasil precisa olhar com atenção para o potencial do etanol.

Márcio é vice-presidente de assuntos jurídicos, tributários e de relações institucionais da Stellantis (dona da Fiat, Jeep e outras) na América do Sul e tem mandato na Anfavea até 2025. A Diretoria passa a contar ainda com Marina Willisch como 1ª vice-presidente, Gustavo Bonini como vice-presidente Tesoureiro e Antônio Calcagnotto como vice-presidente Secretário.

QUEM É MÁRCIO

Mineiro de Belo Horizonte, Márcio de Lima Leite é advogado e contador. Tem mais de 24 anos de atuação profissional no setor e vivência por quase uma década nas consultorias KPMG e Deloitte, antes de ingressar na Fiat. É mestre em Direito Empresarial e pós-graduado em Gestão Estratégica, com especialização em Finanças. Atualmente é professor convidado de pós-graduação da PUC-MG. Já foi professor da UFMG e da Fundação Dom Cabral.

Nos últimos cinco anos conduziu a diretoria de desenvolvimento de novos negócios, relações institucionais e gestão tributária, diretamente envolvido com a gestão dos segmentos de automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, máquinas agrícolas e de construção, motores e componentes.

Na Anfavea, vinha atuando como vice-presidente desde 2017.

* O jornalista viajou a São Paulo a convite da Anfavea

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar