Participamos do

Tem um BlackBerry? Dispositivos vão parar de funcionar dia 4 de janeiro de 2022

Os clássicos celulares com teclado QWERTY não receberão mais atualizações a partir do dia 4 deste mês. Fim do suporte já era esperado para tais aparelhos desde 2017, mas marca estendeu atendimentos até então
20:31 | Jan. 01, 2022
Autor Marília Freitas
Foto do autor
Marília Freitas Estagiária do O POVO Online
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Sucesso de vendas no início dos anos 2000, os clássicos celulares BlackBerry não receberão mais atualizações e suporte oficial da marca a partir do dia 4 de janeiro de 2022. O anúncio da medida foi feito pela própria BlackBerry através de comunicado oficial em seu site. Os dispositivos que rodam a versão BlackBerry 7.1 ou mais antiga, BlackBerry 10, ou o SO de tablet BlackBerry PlayBook “não vão mais funcionar de maneira confiável”, sem realizar ligações ou conexões via WiFi.

Com o fim do suporte, os donos dos dispositivos citados anteriormente também não poderão fazer mensagens de texto, usar dados móveis, mandar SMS e nem sequer realizar chamadas de emergência. Já era previsto que a BlackBerry deixaria de fornecer suporte para tais aparelhos desde 2017. "Optamos por estender nosso serviço até então como uma expressão de agradecimento aos nossos leais parceiros e clientes", explicou a marca em comunicado.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Segundo a BlackBerry, a justificativa do fim das atualizações para os celulares clássicos é devido ao foco da empresa em outras áreas. Atualmente, a marca está focada em fornecer software e serviços de segurança inteligentes para empresas e governos em todo o mundo. "Desde a mudança para uma empresa de software empresarial e cibersegurança, recebemos perguntas sobre nossos planos de fornecer suporte contínuo para BlackBerry 7.1 OS e dispositivos anteriores e BlackBerry 10", divulgou.

No início dos anos 2000, a marca já chegou a dominar 50% do mercado de celulares americanos. Mas com o lançamento de novos dispositivos Android e a inserção do iPhone - o primeiro dispositivo com tela touchscreen do mercado de celulares - nas lojas, a marca caiu bastante nas vendas e chegou a atingir 0% em 2017, segundo informações do portal Olhar Digital.

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags