PUBLICIDADE
Notícias

Parede artificial de musgo pode filtrar o ar 275 vezes mais do que uma árvore

18:57 | 07/07/2017
Imagem da CityTree em Oslo, na Noruega, com pessoas caminhando perto e interagindo com a instalação que também inclui um banco
Imagem da CityTree em Oslo, na Noruega, com pessoas caminhando perto e interagindo com a instalação que também inclui um banco

[FOTO1]

A poluição do ar é um problema grave em várias grandes metrópoles. Partículas no ar que vão desde micro pedaços de pneu que se desprendem por conta do atrito, fuligem dos escapamentos dos veículos, até o dióxido de carbono, alguns desses podem chegar ao pulmão e contribuir para um possível câncer. Foi pensando nisso que o Green City Solutions, grupo sediado em Berlin, na Alemanha, criou uma parede artificial de musgo que traz um benefício ambiental ao filtrar o ar 275 vezes maior do que um árvore.

A CityTree (Arvore da cidade em tradução livre) não se trata de uma árvore e sim de uma parede de musgo de 3.5m² que funciona como um filtro de ar natural. De acordo com o site do Green City Solution, "a função do City Tree é baseada em biotecnologia, usada para cultivar musgos especiais, que têm a habilidade de atrair poluição do ar dos seus arredores e converter na sua própria biomassa. Ou seja, o musgo literalmente come poluição do ar", disse Denes Honus, CEO & Cofundador da Green City Solutions.

[VIDEO1]

Cada uma dessas paredes pode retirar até 30% dos poluentes do ar que estejam em um raio de 50 metros, além de produzir oxigênio e esfriar o ar ao redor. Para instalá-la é preciso de 8 horas e quase nenhuma manutenção é necessária. Na verdade, o próprio sistema cuida de si mesmo provendo água e captando energia solar para conseguir eletricidade.

Os custos para plantar e manter uma árvore tradicional ficam em torno de R$ 3 mil por década, segundo a BBC,  já uma CityTree custa cerca de R$ 90 mil. Por outro lado, "comparado com 275 árvores normais, uma City Tree é 95% mais efetiva em termos de custos e precisa de 99% menos espaço e terra", salienta Denes Honus.

Devido a uma tecnologia de Internet das Coisas presente na instalação, a CityTree consegue medir não só as necessidades da planta, como a qualidade da água, umidade do solo, temperatura do ar, entre outros, mas também afere a performance da filtragem sendo realizada pelo musgo, com informações sobre a qualidade do ar. A estrutura já está presente em 25 cidades, com instalações permanentes em Oslo (na Noruega), Paris (França), Dresden, Klingenthal (as duas na Alemanha) e Hong Kong.

TAGS