Participamos do

Covid-19: Rio tem 201 casos da variante Ômicron em investigação

12:36 | Jan. 03, 2022
Autor Agência Brasil
Foto do autor
Agência Brasil Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O painel da Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro (SES) de acompanhamento das variantes de preocupação do novo coronavírus, causador da covid-19, indica que o estado já detectou indícios da Ômicron em 198 amostras analisadas. Todas elas foram colhidas em dezembro.

Em nota, a SES informou que estão em investigação 201 amostras de teste RT-PCR, com previsão de resultado para o dia 7 de janeiro. Até o momento, a SES confirma apenas um caso de Ômicron no estado, de um morador da capital que adquiriu a doença fora do estado. No painel do sequenciamento genômico aparecem 177 casos de indicativo da Ômicron na capital.

Segundo a SES, os números divergem porque no painel são lançados os dados preliminares, a partir de exames iniciais feitos nas unidades de saúde que indicam qual variante pode ter causado a doença. Porém, a confirmação só ocorre após o sequenciamento genômico por laboratório especializado.

O estado fez mais de 7,5 mil sequenciamentos em 2021. Os dados constataram que, de janeiro a junho, a variante dominante no Rio de Janeiro era a Gamma, sendo ultrapassada a partir de julho pela Delta e os dados preliminares de dezembro já indicam a prevalência da Ômicron no momento.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

“O sequenciamento do coronavírus não é um exame de rotina nem de diagnóstico, ele é feito como vigilância genômica, para identificar modificações sofridas pelo vírus SARS-CoV-2 no estado e embasar políticas sanitárias”, informa a SES.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a Ômicron é muito mais transmissível do que a Delta, tendo um período de duplicação de casos de apenas dois a três dias. Porém, dados preliminares do Reino Unido, África do Sul e Dinamarca indicam que a variante tende a ser menos agressiva que a Delta, causando menos internações e mortes.

Até o momento, o mundo registrou mais de 290 milhões de casos de covid-19 desde o início da pandemia e 5,4 milhões de mortes. A Ômicron já é a variante dominante em países como os Estados Unidos e no Reino Unido.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags