Participamos do

Atualizar vacina para ômicron levará meses, diz órgão alemão

00:03 | Dez. 11, 2021
Autor DW
Tipo Notícia

Para diretor de órgão, pessoas devem tomar dose de reforço independentemente do desenvolvimento de nova vacinaFarmacêuticas já desenvolvem nova versão contra a variante. Pfizer-BioNTech diz que estará pronta em 100 dias, e Moderna que a entrega em março. Empresas ainda não têm dados sobre queda da eficácia das atuais vacinas.O diretor da Comissão Permanente de Vacinação da Alemanha (Stiko), Thomas Mertens, disse em entrevista publicada no sábado (04/12) que levará "meses" para que novas vacinas contra a variante ômicron do coronavírus Sars-Cov-2 estejam disponíveis. Ele também afirmou ser plenamente possível que uma nova vacina seja necessária contra a nova variante. "A ômicron tem muitas mudanças na proteína spike, o que pode tornar mais difícil para os anticorpos combaterem o vírus", disse ao jornal Rheinische Post. "É provável que os fabricantes precisem de três a seis meses no laboratório. Isso não é simples, eles têm que criar uma vacina que funcione contra a ômicron e a delta, porque a delta ainda está muito disseminada", afirmou. Apesar do possível desenvolvimento de novas versões da vacina, Mertens estimulou as pessoas a tomarem doses de reforço dos imunizantes atualmente disponíveis. "As doses de reforço definitivamente valem a pena. A luta contra a variante delta continua", disse. "E não haveria problema em ser revacinado alguns meses após receber a dose de reforço para se proteger contra a ômicron, se for necessário." Neste domingo, Anthony Fauci, principal assessor do governo dos Estados Unidos sobre a pandemia, disse que ainda é "muito cedo" para fazer qualquer afirmação definitiva sobre a ômicron, mas os primeiros indícios são "um tanto encorajadores". "Temos que ter cuidado antes de fazer qualquer determinação de que é menos grave ou realmente não causa nenhuma doença grave comparável à variante delta. Mas até agora, os sinais são um tanto encorajadores em relação à gravidade", afirmou ele à CNN. Pfizer-BioNTech: nova versão em 100 dias O presidente da farmacêutica alemã BioNTech, Ugur Sahin, que desenvolveu a vacina produzida em parceria com a Pfizer, afirmou na sexta-feira que considera provável a necessidade de uma nova versão do imunizante para combater a ômicron, e que ela poderia ser entregue de forma "relativamente rápida". "Acredito que, a princípio, precisaremos de uma nova vacina contra esta nova variante em algum momento. A questão é com qual urgência ela precisará estar disponível", disse. Segundo Sahin, sua empresa já trabalha em uma nova versão do imunizante, que poderia ficar pronta em cerca de 100 dias. Depois disso, ainda seria necessário obter a autorização de agências governamentais. Sahin afirmou que uma confirmação de que a vacina atual protege contra casos graves provocados pela variante ômicron daria aos cientistas mais tempo para desenvolver a abordagem contra a nova mutação. Se as doses de reforço atuais ainda oferecerem de 85% a 90% de proteção contra a doença, "teríamos mais tempo para adaptar a vacina". Segundo Sahin, ele já esperava que uma variante do coronavírus com muitas mutações surgiria em algum momento, mas que isso ocorreu antes do previsto. "Esperava para algum momento do próximo ano, e já está entre nós", disse. Ele afirmou ainda que a probabilidade de que as pessoas tenham que se vacinar anualmente contra a covid-19 está aumentando, da mesma forma como ocorre com a vacina da gripe. No início do ano, a BioNTech e a Pfizer desenvolveram em 95 dias uma vacina eficaz contra a variante delta, em meio a temores de que a fórmula inicial não funcionaria contra essa cepa. Mas a nova versão acabou não sendo utilizada, já que a vacina atual se provou eficiente para proteger contra a delta. Moderna: atualização pronta em março O presidente da farmacêutica americana Moderna, Stéphane Bancel, que produz uma vacina contra a covid-19 com a mesma tecnologia usada pela Pfizer-BioNTech, também afirmou na semana passada que espera uma queda da eficácia dos imunizantes contra a ômicron, mas que ainda levará algum tempo para medir qual será a magnitude. Mesmo que ainda não haja dados sobre o desempenho das atuais vacinas, ele disse ser provável que o alto número de mutações da ômicron torne necessário o desenvolvimento de uma nova versão da vacina Ele disse que a Moderna já trabalha em uma nova versão da vacina e que ela estará testada e pronta para solicitar autorização a autoridades sanitárias em março. Essa versão combateria especificamente as mutações da variante ômicron e seria aplicada como dose de reforço. Segundo Bancel, seria a forma mais rápida de reagir à nova variante. A Moderna também está desenvolvendo uma vacina capaz de combater até quatro variantes diferentes do coronavírus, incluindo a ômicron, mas ela levará mais vários meses para ficar pronta. Outras empresas também analisam ômicron A Johnson & Johnson informou na semana passada que seus pesquisadores "buscam uma variante da vacina específica para a ômicron, e a desenvolverão conforme o necessário”. A Universidade de Oxford, no Reino Unido, que desenvolveu uma vacina contra a covid-19 com a farmacêutica AstraZeneca, disse que ainda não há evidências de que as vacinas atuais não evitariam manifestações grave da doença em pessoas infectadas pela ômicron, mas que estava pronta para desenvolver uma atualização do imunizante se fosse necessário. Na Rússia, o Instituto Gamaleya e o Fundo Russo de Investimentos Diretos, que desenvolveram e promoveram as vacinas Sputnik, anunciaram que deram início aos trabalhos para adaptar o imunizante para combater a ômicron. "O Instituto Gamaleya acredita que a Sputnik V e a Sputnik Light irão neutralizar a ômicron, uma vez que possuem a eficácia mais alta contra as outras mutações”, disse o Fundo Russo em nota, acrescentando que, se for necessário modificar a vacina, ela estaria pronta para produção em massa em 45 dias. Até o momento, 40 países já registraram casos da variante ômicron, incluindo Brasil, Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, França, Espanha, Portugal, China, Índia e África do Sul. bl (DW, Reuters, ots)

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente