PUBLICIDADE
Saúde
NOTÍCIA

Doença de Parkinson: segue a busca por uma cura

00:03 | 13/04/2021
Mais de 200 anos atrás, um médico inglês descrevia a "paralisia agitante". No Dia Mundial de Parkinson, sabe-se que, além de medicamentos e elétrodos, movimentar-se ajuda os pacientes – em especial dançar tango.As mãos da senhora sentada no café tremem, ela mal consegue segurar a xícara. No restaurante, o idoso tenta em vão levar a colher de sopa até a boca. Os ocupantes das demais mesas evitam sequer olhar, se envergonham, preferem fingir que não veem quem sofre da doença de Parkinson. No entanto ela não poupa pacientes ilustres, como o artista Salvador Dalí, o pugilista Muhammad Ali ou o presidente americano Theodor Roosevelt. O 11 de abril, quando nasceu o Dr. James Parkinson (1755-1824), é dia mundial do mal que afeta entre 250 mil e 300 mil indivíduos só na Alemanha. Depois da doença de Alzheimer, é a segunda mais frequente moléstia neurodegenerativa. Sua origem é uma lenta degeneração de células no cérebro profundo, numa região de transição para a medula espinhal, centro de controle de diversos movimentos físicos. Ao receber o diagnóstico, a maior parte dos pacientes conta cerca de 60 anos de idade, mas os sinais precoces podem se manifestar 10 ou mesmo 20 anos antes de a doença eclodir, e incluem distúrbios do sentido de olfato e depressão. Sem cura Mesmo se identificada precocemente, a doença de Parkinson não tem cura: não há medicamentos capazes de evitar sua evolução. Mas os cientistas seguem procurando: uma das abordagens em estudo são as terapias neuroprotetoras, que visam evitar a morte dos neurônios. A dificuldade motora de Parkinson está relacionada à carência do neurotransmissor dopamina, produzido na substância nigra. Nos doentes de Parkinson, essa porção do mesencéfalo se degenera, e quando entre 60% e 70% dela estão afetados, manifestam-se os sintomas conhecidos. Entre eles estão distúrbios motores declarados, tremores, rigidez muscular, mais tarde, insegurança ao levantar-se e ao caminhar. Distúrbios neuropsiquiátricos também podem compor o quadro clínico. Um amplo estudo do University College London (UCL) registrou os diversos sinais que se manifestam precocemente: cinco anos antes antes do diagnóstico, constataram-se tremores, com uma frequência 14 vezes maior do que entre os integrantes do grupo de controle. Outros sinais foram baixa pressão sanguínea, distúrbios de equilíbrio e tonturas. Além disso, os pacientes apresentaram depressão, cansaço crônico ou ansiedade. O poder da dança Já em 1817, o médico londrino James Parkinson descrevia a doença que leva seu nome em An essay on the shaking palsy (Um ensaio sobre a paralisia agitante). Mais de 200 anos depois, os tratamentos aplicados ainda são puramente sintomáticos, envolvendo, em geral, medicamentos para compensar a falta de dopamina. Também se emprega a terapia de estimulação cerebral profunda, envolvendo uma intervenção cirúrgica: elétrodos estimuladores são implantados no cérebro e conectados a um gerador afixado na clavícula, sob a pele. Este transmite sinais elétricos a áreas específicas do cérebro, influenciando os processos nervosos. Em caso de sucesso, a medicação segue indispensável, mas pode ser reduzida. Enquanto não se encontrar uma cura para a doença de Parkinson, esportes e movimento são importantes fatores de bem estar. Estudos clínicos mostraram que dançar tango reduz consideravelmente alguns dos efeitos, melhorando postura, andar e equilíbrio. Atualmente há cursos da tradicional dança argentina especialmente para os pacientes da doença de Parkinson. Autor: Gudrun Heise
TAGS