PUBLICIDADE
Saúde
NOTÍCIA

Brasil tem 200 mil mortes além do esperado em 2020; Ceará tem alta de 45%

Dados são do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e registram apenas mortes por causas naturais, inclusive doenças, mas não levam em conta acidentes ou mortes violentas

Bemfica de Oliva
20:24 | 31/12/2020
Apenas na última semana, o País teve 16.083 óbitos (Foto: Michael Dantas/AFP)
Apenas na última semana, o País teve 16.083 óbitos (Foto: Michael Dantas/AFP)

O Brasil registrou 200 mil mortes por causas naturais além do esperado em 2020. Segundo painel do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), foram registrados 1.050.158 óbitos causados por idade ou doenças no País este ano, contra 849.888 falecimentos projetados para o período. No Ceará, a alta foi de 45%: houve 49.659 mortes, contra a expectativa de 34.358.

O número de óbitos além do esperado é chamado de "excesso de mortalidade". Este índice é calculado usando-se a taxa de mortalidade por causas naturais do ano anterior e multiplicando-a pelo crescimento esperado da população do País.

O indicativo é muito próximo, porém superior, aos óbitos causados pelo coronavírus - são 7,67 milhões de pessoas contaminadas e 194,9 mil mortes no Brasil. O aumento além da Covid-19 pode ter causas também ligadas à doença, como pessoas que morreram devido ao coronavírus e não chegaram a receber diagnóstico da doença, ou aquelas que não conseguiram atendimento médico adequado devido à superlotação dos serviços de saúde no auge da pandemia.

Excesso de mortalidade no Ceará é de 45%

No Estado, o número de óbitos além do esperado foi de 45% no total do ano. Eram esperadas 34.358 mortes, mas ocorreram 49.659 - 15.301 registros acima do estimado.

No auge da pandemia, esse número chegou a ser ainda maior. Na semana epidemiológica 20, que compreende o período de 10 a 16 de maio, eram esperadas 996 mortes, mas foram registradas 1.533 além disso, num total de 2.529 óbitos. A quantidade foi 154% maior que o estimado.

No período de pico, entre as semanas epidemiológicas 17 (19 a 25 de abril) e 25 (14 a 20 de junho), o excesso de mortalidade foi de 97,7%. Eram esperados 9.236 mortes para o período, e ocorreram 18.260.

LEIA TAMBÉM | Ceará chega a 335.992 casos confirmados e 9.993 óbitos por Covid-19

Dados de mortalidade nos cartórios é maior por incluir outras causas

Na tentativa de desqualificar os dados de mortalidade pela Covid-19, notícias falsas circularam na internet nos últimos meses afirmando que, na realidade, número de mortes no Brasil caiu em relação a 2019. As matérias são enganosas ao comparar os dados do Conass, que incluem somente óbitos por causas naturais (incluindo doenças) aos divulgados pela Central Nacional de Informações do Registro Civil (CNIRC), órgão que reúne os cartórios do País, que incluem também mortes por acidentes e por crimes violentos.

Como o painel do Conass foi divulgado somente em agosto deste ano, não há como realizar um comparativo das mortes naturais de 2020 com as de 2019 - é possível somente comparar os óbitos totais com os estimados, gerando o índice de excesso de mortalidade. Para ter uma comparação precisa, é necessário verificar os dados do CNIRC de 2019 e os de 2020.

Neste caso, foram 1.258.972 óbitos registrados em cartórios no ano passado, contra 1.430.728 em 2020. Contando o total de óbitos, tem-se um aumento de 171.756 mortes, alta de 13,6%. No entanto, como os cartórios podem realizar os registros até 14 dias após a data da morte, o número final para 2020 ainda deve aumentar.