PUBLICIDADE
Saúde
HIGIENE FACIAL

Barba tem mais bactérias infecciosas do que pelos de cachorro; veja como cuidar

descuido com a barba pode acarretar irritação, infecção dos poros e até comprometer o crescimento dos fios na região inflamada

09:35 | 04/05/2019
Zakaria Benzaama bate o ponto toda semana na barbearia para ajustar os fios da barba
Zakaria Benzaama bate o ponto toda semana na barbearia para ajustar os fios da barba(Foto: Italo Cosme / Especial para O POVO)

Um estudo suíço divulgado em fevereiro último chegou à conclusão de que a barba tem mais bactérias potencialmente infecciosas do que a pelagem canina. Os resultados foram publicados no periódico Springer Nature por pesquisadores da Clínica Hirslanden, em Zurique, na Suíça. Chegou-se ao resultado após comparação com amostras de barbas de 18 homens, entre 18 a 76 anos, com a pelagem de 30 caninos, com idade e raças diferentes.

A pesquisa expôs que todos os homens participantes da avaliação possuíam alta carga bacteriana nos fios da face. Por outro lado, apenas 76% dos cães tiveram índices elevados. O objetivo inicial do estudo não era esse. A expectativa era saber se o uso da máquina de ressonância magnética por um cachorro acarretaria problemas para a saúde dos humanos. No entanto, quando foi feita a comparação chegou-se a esse resultado.

A médica dermatologista Hercília Queiroz salienta que, assim como toda extensão da nossa pele, a barba é protegida por bactérias e fungos naturais. Assim, essa flora bacteriana é necessária para compor o aspecto saudável da pele, manter o equilíbrio, hidratação e imunidade natural. Esse equilíbrio impede que bactérias danosas causem infecções na pele.

“Quando o paciente descuida pode apresentar além da irritação, infecção, foliculite, inflamação dos poros e até comprometer o crescimento dos fios na região inflamada, mas na maioria dos casos é reversível. Contanto que ele volte a cuidar e tratar a região inflamada”, alerta a dermatologista. Aqueles que coçam a barba, cuidado. Isso pode ocorrer, segundo Hercília, devido ao acúmulo de oleosidade natural, gerando vermelhidão e descamação, conhecido como dermatite seborreica.

Barbeiro

Para quem usa barba, independentemente, do tamanho deve ter os mesmos cuidados. No entanto, o barbeiro Valter Ribeiro lembra que os produtos usados para higienizar os fios da cabeça não são os mesmos para os da face, principalmente, porque o primeiro é fincado no couro cabelo enquanto o segundo está na pele.

Valter destaca que é comum o cliente chegar com problemas no Sr. barbeiro, onde trabalha. “Nós fomos orientados a saber distinguir as peculiaridades de cada um, qual o cuidado vai ser empregado”. Shampoos especiais, óleos de hidratação fazem parte do processo de higienização de todo sempre quando aparecem para aparar os fios.

Cliente

Toda sexta-feira, o empresário Zakaria Benzaama bate o ponto na barbearia para ajustar os fios da barba. Ele destaca, ainda, que o trabalho do barbeiro é fundamental para a qualidade da pelagem.

“A barba quando é retirada no sentido contrário do pelo, ela irrita. Danifica a pele, traz manchas e até espinhas. Por isso, vou tratando a barba da melhor forma. Uso balm, óleos, e produtos que eliminam as bactérias”, descreve sobre os cuidados.

Sobre os itens de higienização, Hercília Queiroz destaca que o papel do dermatologista é fundamental na escolha dos produtos. “O filtro solar ou sabonete quem indica é o especialista que vai avaliar o tipo de pele do paciente e examinar a área da barba, para saber o melhor a ser aplicado”, afirma.

Italo Cosme/ especial para O POVO