PUBLICIDADE
Saúde
Aedes aegypti

Fortaleza entra em alerta por possível surto de doenças causadas pelo Aedes aegypti, diz Ministério

O Ceará está entre os quatro estados com maiores incidências da chikungunya, doença causada também por esse mosquito

13:14 | 01/05/2019
O MOSQUITO Aedes aegypti se reproduz em água parada
O MOSQUITO Aedes aegypti se reproduz em água parada(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Fortaleza está no grupo de 16 capitais em alerta por causa de possível surto de dengue, zika e chikungunya no Brasil. O primeiro Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti (Liraa) de 2019 indica que 994 municípios (20% do total realizado) apresentaram alto índice de infestação.

O Ministério da Saúde informou que, ao todo, 5.214 municípios realizaram algum tipo de monitoramento do mosquito transmissor dessas doenças, sendo 4.958 (95,1%) por levantamento de infestação e 256 por armadilha.

Além das cidades em situação de risco, o levantamento identificou 2.160 municípios em alerta, com o índice de infestação predial (IIP) entre 1% a 3,9%, e 1.804 municípios com índices satisfatórios, inferiores a 1%. No total, 25 capitais realizaram o Liraa.

Cinco capitais estão com índice satisfatório: Boa Vista (RR), João Pessoa (PB), São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ) e o Distrito Federal. A capital Cuiabá (MT) está em risco. Outras 15 capitais, além de Fortaleza (CE), estão em alerta: Porto Velho (RO), Palmas (TO), Salvador (BA), Teresina (PI), Recife (PE), Belo Horizonte (MG), Campo Grande (MS), Vitória (ES), São Luís (MA), Belém (PA), Macapá (AP), Manaus (AM), Maceió (AL), Aracaju (SE) e Goiânia (GO).

Ceará é o quarto estado a ter maiores incidências da chikungunya

Segundo dados do Ministério da Saúde, O Ceará possui a quarta maior incidência nacional e a primeira do Nordeste relacionada a registros da chikungunya. Na análise dos estados, destacam-se entre as maiores incidências o Rio de Janeiro (80,6 casos/100 mil hab.), Tocantins (30,9 casos/100 mil hab.), Pará (27,6 casos/100 mil hab.), Ceará (11,8 casos/100 mil hab.) e Rio Grande do Norte (11,3 casos/100 mil hab.).

Segundo dados do Ministério da Saúde, em 2019, até 13 de abril, foram registrados 24.120 casos de chikungunya no País, com uma incidência de 11,6 casos/100 mil hab. Em 2018, foram 37.874 casos – uma redução de 36,3%. Em 2019, não foram confirmados óbitos por essa doença.

David Moura/Especial para O POVO