PUBLICIDADE
Notícias

Especialistas falam como a alimentação pode ajudar a prevenir a gripe H1N1

20:29 | 19/04/2018
A nutricionista Fabiana Fontes, especializada em Nutrição Esportiva, Clínica e Estética, e Maryna Landim Borges, médica ortomolecular e nutróloga, contou ao O POVO sobre como a alimentação pode ajudar a prevenir a gripe H1N1, que já causou três mortes e teve sete casos confirmados no Ceará.
[SAIBAMAIS]
A Secretaria da Saúde do Estado autorizou para esta sexta-feira, 20, o início da Campanha de Vacinação contra Influenza. Os municípios poderão começar a vacinar grupos prioritários. A campanha estava prevista para começar na segunda-feira, 23. A campanha irá até 1º de junho. A meta de vacinação é superior a dois milhões de habitantes no Estado. a reincidência da gripe H1N1 neste ano no Ceará.

Qual o papel da alimentação na prevenção de doenças?

Fabiana Fontes - A alimentação tem um papel fundamental, pois através dos nutrientes conseguimos fortalecer o nosso sistema imunológico e ajudar no combate às diversas doenças. Nosso intestino é responsável por 70% da nossa defesa imunológica, então cuidar bem dele é fortalecer o organismo. Dessa forma, os probióticos, prebióticos (fibras) e o consumo adequado de água garantirão um bom funcionamento do nosso intestino, que é fundamental para o equilíbrio e manutenção da nossa saúde.

Maryna Landim - O grande problema hoje em dia é a qualidade da alimentação. A gente vê pessoas comendo muitos alimentos industrializados, comidas que acidificam o organismo. Um organismo mais ácido é um organismo mais frágil, o sistema imunológico fica mais debilitado. E fica mais suscetível às doenças.

Outro problema é que, se nós, seres humanos, precisamos tomar remédios ou vacinas, se a gente adquire doença, é porque o nosso sistema imunológico está fraco. Ou seja, não conseguimos dar a ele o substrato para que se fortaleça. Da mesma forma são os alimentos. Hoje em dia o nosso solo é pobre em vitaminas e minerais, então o alimento já cresce pobre nessas substâncias. E ficam também suscetíveis à ação de vírus, de bactérias e fungos patógenos. E aí precisamos inserir os inseticidas, os agrotóxicos, para poder livrar o alimento dessas infecções externas.

- Qual a eficácia dos alimentos contra gripe?

Fabiana Fontes - Um organismo bem nutrido e fortalecido através dos nutrientes e do cuidado com o nosso intestino, fará um combate contra a gripe extremamente eficiente.

Maryna Landim - Sabemos que a gripe é causada por um vírus e ele pode entrar no nosso corpo de diversas formas. O vírus tem um período de incubação, que ele entra, se sente em casa, e começa a agredir as nossas células. E nesse período de incubação a alimentação é importantíssima para que as nossas células de defesa consigam impedir que o vírus se manifeste, se multiplique e cause sintomas, doença mesmo no nosso corpo.

A cada ano que passa a alimentação da população fica mais fácil, no sentido de que comemos o que é mais fácil e, automaticamente, é o industrializado, que tem mais conservante, menos proteínas, menos vitaminas e menos minerais. E é óbvio que isso alimenta, mas não nutre, porque o nutriente não consegue chegar na célula.

- Três tipos de alimentos são destaque: oleaginosas, vegetais folhosos e alho. Porque?

Fabiana Fontes - As oleaginosas são ricas em selênio, que é um cofator para a produção da enzima glutationa peroxidase, que é um antioxidante do sistema imune e possui também atividade antiviral.

Os vegetais folhosos verdes escuros são ricos em diversas vitaminas, principalmente a C, que fortalece o sistema imunológico, e fibras, que ajudam na função intestinal.

O alho é rico em vitamina C e vitamina A, fundamentais para o sistema imunológico e tem funções antivirais e antibacterianas.

Maryna Landim - As oleaginosas, além de serem ricas em nutrientes e proteínas de origem não animal, são também ricas em vitamina E, que consegue fortalecer o nosso sistema imunológico por aumentar e dar mais qualidade aos nossos linfócitos, que são células de defesa. Além de combater também os radicais livres que são formados no nosso organismo. Uma porção de oleaginosa por dia, de boa qualidade, consegue fortalecer e ativar mais ainda o nosso sistema de defesa.

Já os vegetais folhosos, principalmente os verdes escuro são ricos em vitaminas A, B12 e B6, além de outras vitaminas. Eles causam maturação do nosso sistema imune. Quando a gente tem essa quantidade adequada de vitaminas na nossa circulação, faz com que o sistema imune fique mais maduro e preparado para combater uma infecção.

O alho é usado desde muito tempo para prevenir qualquer tipo de doença infecciosa no nosso organismo. O alho é rico em vitaminas A e C, que também ajudam nessa maturação e no aumento de quantidade e qualidade das nossas células de defesa e também é rico em outros antioxidantes, que diminuem os radicais livres do nosso organismo. Sabemos que quando o nosso corpo tem muitos radicais livres ficam voltado para combater esses radicais e acabam esquecendo dos patógenos que podem invadir o nosso corpo. Então uma vez que o alho é rico em zinco, selênio e alicina, ele consegue combater esses efeitos dos radicais livres e deixa o sistema imunológico um pouco mais livre para combater os patógenos.

- Quais outros alimentos têm esse papel e porquê?

Fabiana Fontes - Gengibre é um super alimento, devido ao componente Gingerol, uma substância bioativa que ajuda na redução de riscos de infecção. Além de ser antimicrobiano.

Própolis é muito importante para combater infecções nas vias aéreas respiratórias, provocadas por algumas bactérias. Ativa as células do sistema imunológico.

Açaí, carne vermelha e leguminosas, por serem ricas em ferro, também fortalecem sistema imunológico.

Maryna Landim - Não podemos esquecer de uma fonte principal que a gente precisa: a água. Uma água de boa qualidade, principalmente tendendo mais para a alcalinidade, consegue equilibrar o PH do nosso corpo e é importantíssima para manter o nosso corpo funcionando bem. A hidratação mantém as nossas vias aéreas úmidas e evita que o vírus se instale.

Além disso, todas as frutas ricas em vitaminas C e E, como laranja, acerola, limão, são bem importantes. Feijão é fonte de ferro. Cebola, cogumelos… a alimentação tem que rica em micronutrientes também, para que eles consigam ultrapassar as barreiras das nossas células e nutrí-las.

- Quais as principais vitaminas para o fortalecimento do sistema imunológico?

Fabiana Fontes - Vitamina C , Vitamina D , A e vitamina E.

Maryna Landim - Eu destaco uma hipovitaminose que tem sido muito encontrada nos pacientes, que é hipovitaminose D. Ela tem receptor em todas as células do nosso corpo. Então essa referência de laboratório, que a gente deixa a vitamina D no nível mínimo considerado, não garante imunidade. Tem que deixar a vitamina D em, no mínimo, 50 nanogramas no nosso exame de sangue para que ela consiga manter todas as nossas células nutridas de vitaminas e mantenha o sistema imunológico mais ativo. Essa dose é uma de referência base. É como se a vitamina D fosse o maestro da nossa orquestra quando se fala em vitaminas.

- Há uma dosagem diária recomendada?

Fabiana Fontes - Depende do grupo de indivíduos que estamos falando. Gestante, idosos, bebês e crianças são recomendações diferentes devido ao momento diferente de vida que requer mais nutrientes, seja pelo desenvolvimento ou por alguns serem imunodeprimidos.

- Quais os principais alimentos que enfraquecem o sistema imunológico? Porquê?

Fabiana Fontes - Farinhas brancas, doces, enlatados, conservantes, corantes, aditivos, refrigerantes, cereais açucarados. O açúcar interfere nas células brancas (de defesa), diminuindo a sua eficiência no combate às bactérias e aos vírus, além de seu uso constante aumentar perda de cálcio, magnésio e outros minerais importantes para o sistema imune. O refrigerante, por exemplo, torna o meio mais ácido propício ao desenvolvimento de bactérias. Os corantes, conservantes e aditivos, podem comprometer o funcionamento do sistema imune. Esses alimentos processados induzem um ambiente orgânico ácido, que não é favorável à defesa do nosso organismo

Maryna Landim
- Os principais alimentos que enfraquecem o sistema imunológico são os industrializados, pobres em nutrientes e ricos em farinha branca,. açúcares refinados. Eles alteram a nossa flora intestinal e isso altera o sistema imunológico. Alimentos ácidos também diminuem essa atividade do sistema. Eu diria para evitarem todos os tipos de pães industrializados, de farinha branca, de açúcares refinados, de bolos, doces. Lógico que não precisa ser radical, mas a gente precisa tirá-los da rotina.

- Os vírus se desenvolvem mais facilmente em ambientes orgânicos mais ácidos?


Fabiana Fontes - Sim, vírus, bactérias e fungos adoram ambientes ácidos, isso favorece a sua proliferação e prejudica o funcionamento do nosso sistema imunológico que, ao contrário, é mais eficiente em ambientes orgânicos básicos.

Maryna Landim - Tanto vírus simples como as doenças mais graves precisam de um meio ácido para se desenvolver, o nosso PH sanguíneo se encontra entre 7.35 e 7.45, mas os alimentos industrializados, na sua grande maioria, acidificam o organismo e o deixam debilitado. Já os alimentos naturais tem poder alcalinizante.
TAGS