PUBLICIDADE
Saúde

Ministério da Saúde registra aumento de casos de HIV em 2016

Esse aumento, no entanto, pode ser explicado em parte porque, em 2014, a pasta tornou obrigatória a notificação de casos de HIV no País

18:18 | 01/12/2017

O Ministério da Saúde registrou 37.884 casos do vírus HIV no ano passado. O número mostra um aumento de 4% dos casos se comparados com 2015, que registrou 36.360 pessoas com o vírus. Conforme notificações enviadas à pasta, a tendência é de aumento desde 2014, quando foi registrado um incremento de 56,2% em relação a 2013. A informação é do G1.

A divulgação dos dados aconteceu nesta sexta-feira, dia 1º, no Dia Mundial de Luta Contra Aids. No mesmo dia, a pasta informou que medicamentos para a prevenção do HIV passarão a ser oferecidos no SUS em dezembro.

Esse aumento, no entanto, pode ser explicado em parte porque, em 2014, a pasta tornou obrigatória a notificação de casos de HIV no País. Antes, esse número era obtido a partir de amostragem em estudos isolados. Outra política adotada pelo Ministério da Saúde, que pode explicar o aumento é a implementação de testes rápidos de HIV. O infectologista do Hospital Emílio Ribas, referência na doença em São Paulo, Jama Suleiman, diz que se alguém já passou algum risco, há a necessidade do teste. "Hoje, a ideia é que todos estão em risco".

O médico, no entanto, pondera sobre o aperfeiçoamento dessas políticas não explicam por si o aumento das notificações de HIV, sobretudo quanto é notório um aumento dessas notificações entre homens mais jovens. Para ele, o perfil da Aids no Brasil é muito complexo e precisa ser analisado com cuidado.

Diferença entre Aids e HIV

A notificação por HIV acontece quando o indivíduo tem o vírus, mas não desenvolveu a Aids. O Ministério estabelece uma diferença entre esses dois dados. O HIV é notificado no momento do resultado do teste, se positivo.

Já a Aids é notificada no momento que o indivíduo aparece no hospital com alguma doença oportunista, a exemplo de câncer ou infecções, ou com a imunidade muito baixa. Se durante o tratamento dessas doenças o indíviduo faz um teste e dá positivo, o caso é notificado como sendo Aids.

Desse modo, quando considerado o número de casos de pessoas com Aids, houve diminuição de 5% em 2016 em relação a 2015, embora a queda não seja consistente em todos os grupos etários e a tendência seja de aumento entre os mais jovens.

Hoje, há uma tendência de queda nos casos de Aids entre mulheres e aumento entre homens. Em 2016, foram 22 casis de Aids em homens para cada 10 casos em mulheres. Antes do período, o órgão registrava uma tendência de aumento entre elas.

Redação O POVO Online