select ds_midia_link from midia where cd_midia = limit 1
Termo de Uso Política de Privacidade Política de Cookies Conheça O POVO Trabalhe Conosco Fale com a gente Assine Ombudsman
Participamos do

Witzel diz que criará clubes de tiro; Paes o chama de 'genérico de Moro e Bretas'

17:20 | Out. 17, 2018
Autor -
Foto do autor
- Autor
Tipo Notícia

O candidato do DEM ao governo do Estado do Rio, Eduardo Paes, disse nesta quarta-feira, 17, em debate com o candidato Wilson Witzel (PSC), que ele é um "genérico" dos juízes federais Sérgio Moro e Marcelo Bretas, da Lava Jato, e o acusou de explorar vinculação com o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) para angariar votos. Witzel respondeu reafirmando seu alinhamento a Bolsonaro e disse que tem como proposta criar mais clubes de tiro no Rio.

"Em quem você vota para presidente? Eu voto em Jair Bolsonaro", provocou o candidato do PSC. "Não importa se Jair Bolsonaro está neutro (na eleição estadual) ou não. Estamos alinhados. Vamos trabalhar para ter mais clubes de tiros para apoiar a revisão do Estatuto do Desarmamento, e vamos ter mais escolas militares", afirmou Witzel, depois de instar Paes a declarar seu voto para presidente. Paes repetiu que entre Bolsonaro e o petista Fernando Haddad, se coloca neutro. Mais adiante, em outra pergunta, afirmou estar mais próximo do candidato do PSL em termos de programas de governo, no tocante à segurança e à economia.

"O Bolsonaro todo mundo conhece. Você ninguém conhece. Um candidato a governador do Estado do Rio que tem sua grande proposta para se equiparar ao Bolsonaro é ter clube de tiro... Isso não é a proposta principal do Bolsonaro. Essa escada que você usa, esse guarda-chuva do Bolsonaro, é muito perigosa. Você é um genérico do Bretas e do Moro. Fica o tempo todo se protegendo. Não é o Bolsonaro que vai segurar a caneta no Rio no dia 1º de janeiro de 2019. Eu me dou muito bem com ele. E outro dia o Bolsonaro não sabia nem quem era você", criticou o ex-prefeito da capital.

No debate, organizado pelos jornais O Globo e Extra e pela Federação de Comércio do Rio, Witzel explorou as relações do passado entre Paes e o ex-governador Sérgio Cabral (MDB) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ambos presos pela Lava Jato. "Não tenho presidiário de estimação; você tem dois, o Cabral e o Lula. Eu não tenho relação com crime organizado. Eu tenho milhares de sentenças criminais condenando gente pelo crime organizado. É só olhar meu histórico. Você amarelou quando teve oportunidade de armar a Guarda Municipal", atacou Witzel. Falando de segurança, ele disse que sempre achou que as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), hoje em declínio, não seriam um projeto bem-sucedido.

O candidato do DEM, por sua vez, relembrou a vinculação de Witzel com o advogado Luiz Carlos Azenha, que defendeu o traficante Antônio Bonfim Lopes, o Nem, e o escondeu na mala do carro em 2011, ajudando-o a fugir da polícia, e também do empresário Mário Peixoto, ligado ao deputado Jorge Picciani (MDB), ex-presidente da Assembleia Legislativa do Rio acusado de corrupção.

Ele também trouxe ao debate questões relacionadas a Witzel que considera "imorais", "maracutaias", como a falta de pagamento de IPTU de sua residência, o recebimento de auxílio-moradia tendo imóvel e a não-declaração de duas empresas de sua propriedade.

"Eu não tenho folha de antecedentes, tenho currículo. Tenho vida limpa. Meus problemas estão todos sendo resolvidos. Não se preocupe. Os seus podem dar prisão, cadeia. São inquéritos policiais por corrupção. Você está disputando eleição sob liminar. Eu sou o candidato novo, você é o candidato de novo", afirmou Witzel.

Paes foi questionado por uma jornalista sobre os sinais exteriores de riqueza de Cabral durante seu governo. Ele respondeu que a relação entre eles era institucional, que "não acompanhava esses gastos" e que não era seu papel como prefeito atentar para isso. Ele se colocou favorável à devolução aos cofres públicos dos valores que tenham sido desviados pelo ex-governador.

Paes também disse que o atual prefeito da capital, Marcelo Crivella (PRB), seu sucessor no município, cuja gestão tem alta impopularidade, apoia Witzel, e que a "mistura de inexperiência com insensibilidade" de Crivella iria se repetir no Estado num eventual governo Witzel.

Agência Estado

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Nas quartas do vôlei nas Olimpíadas de Tóquio, Douglas Souza promete sumir das redes sociais

Jogos Olímpicos
2021-08-01 20:48:28
Autor Gazeta Esportiva
Foto do autor
Gazeta Esportiva Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O Brasil conseguiu avançar às quartas de final no vôlei masculino em Tóquio. Neste domingo, 1°, a Seleção derrotou a França por 3 sets a 2 e chegou a dez pontos. O Comitê Olímpico Russo venceu a Tunísia e fechou a primeira fase na liderança do Grupo B. Desta forma, o Brasil avança em segundo e enfrentará o Japão nas quartas.

Douglas Souza, ponteiro da seleção de vôlei do Brasil, virou um astro nas redes sociais desde que chegou em Tóquio. Com publicações diárias nos stories do Instagram, o jogador conquistou milhões de seguidores.

Após a vitória do Brasil diante da França, Douglas avisou no Twitter que irá “dar uma sumida das redes”. Neste momento, é necessário foco para os próximos jogos, pois "a final é logo ali".

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Yulimar Rojas é ouro nas Olimpíadas de Tóquio com recorde mundial no salto triplo

Jogos Olímpicos
2021-08-01 20:40:37
Autor Gazeta Esportiva
Foto do autor
Gazeta Esportiva Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A venezuelana Yulimar Rojas escreveu a página mais importante de sua carreira esportiva neste domingo. Ela alcançou a marca de 15,67 metros nas Olimpíadas de Tóquio e conquistou seu primeiro ouro olímpico com um recorde mundial que estava de pé há quase três décadas.

Rojas, de 25 anos e que tinha uma melhor marca pessoal de 15,43m antes dessa final, melhora em 17 centímetros o recorde anterior. Esta marca pertencia à ucraniana Inessa Kravets, com 15,50 metros registrados no Mundial de Gotemburgo, em 1995.

A prata de Tóquio-2020 nesta prova ficou com a portuguesa Patricia Mamona (15,01 metros), e o bronze, com a espanhola Ana Peleteiro (14,87 metros). O resultado de ambas também representa recordes para seus países.

Yulimar Rojas celebra recorde no salto triplo conquistado neste domingo. (Foto: Andrej Isakovic/AFP)
Depois de levar a prata nos Jogos do Rio, em 2016, atrás de Caterine Ibargüen, de 37 anos, Yulimar Rojas agora sucede à estrela colombiana, que ficou em 10º neste domingo, marcando apenas 14,25 metros.

Este é o primeiro ouro da Venezuela nesta edição dos Jogos e a quarta medalha do país na capital japonesa.

Além do segundo lugar de Daniel Dhers no ciclismo BMX freestyle, a Venezuela teve outras duas pratas, ambas em levantamento de peso: Julio Mayora (categoria de 73 kg) e Keydomar Vallenilla (96 kg).

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Após ruptura de ligamento, cavalo da equipe suíça é sacrificado nas Olimpíadas de Tóquio

Jogos Olímpicos
2021-08-01 20:29:33
Autor Gazeta Esportiva
Foto do autor
Gazeta Esportiva Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O cavalo que competia com o cavaleiro suíço Robin Godel nos Jogos de Tóquio foi sacrificado neste domingo, 1°. O Comitê Olímpico Suíço anunciou que o animal rompeu o ligamento da perna dianteira direita durante uma prova de hipismo cross-country.

"Devido à gravidade da lesão e à dor que tinha, o cavalo teve de ser sacrificado pouco tempo depois", afirma o comitê, em um comunicado.

A equipe suíça afirma que, "apesar do trágico acidente, decidiu-se participar da competição final de salto", na próxima segunda-feira.

Robin Godel se pronunciou nas redes e postou uma foto ao lado do cavalo.

“É com o coração muito pesado que lamento anunciar a saída precipitada do meu querido Jet Set, após uma ruptura de ligamento aqui em Tóquio. Em um galope a poucos saltos da chegada, a lesão nos obrigou a deixá-lo ir”, iniciou Robin.

"Jet era um cavalo extraordinário. Ele partiu para o que mais gostava de fazer: galopar e voar sobre obstáculos. Agradeço a todos pelo apoio e estou profundamente tocado por ele. Espero que vocês entendam minha ausência nas redes sociais em um futuro próximo”, completou.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Parceria com a esposa rende medalha para Bruno Fratus nas Olimpíadas de Tóquio

Jogos Olímpicos
2021-08-01 20:18:11
Autor Gazeta Esportiva
Foto do autor
Gazeta Esportiva Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O nadador brasileiro Bruno Fratus conquistou o bronze nos 50m livre na manhã deste domingo, 1°, (noite de sábado. 31. no Brasil), nos Jogos de Tóquio. A medalha também representa a primeira de um atleta treinado por uma mulher na natação brasileira. Ele é orientado pelo americano Breatt Hawke e por sua esposa, Michelle Lenhardt, ex-nadadora olímpica, que o acompanhou em Tóquio.

Após a premiação, com a medalha no peito, o brasileiro beijou o pódio e correu para abraçar Michelle, que estava na área da piscina.

"(Tenho que agradecer a) Michelle, minha esposa, o que ela me falou antes da prova fez toda diferença. Me permitir ser feliz independente do que acontecesse hoje. (E ao) Brett Hawke, meu melhor amigo, meu técnico, que estava mais ansioso do que eu”, afirmou ao site do COB

No Centro Aquático da capital japonesa, Fratus completou a prova com o tempo de 21s57, atrás do medalhista de ouro americano Caeleb Dressel (21.07), que bateu o recorde olímpico que pertencia ao brasileiro César Cielo (21s30), estabelecido em Pequim 2008, e do francês Florent Manaudou (21s55), que ganhou a prata.

Em sua terceira participação em Jogos Olímpicos, o nadador nascido em Macaé (RJ) já havia chegado a duas finais nos 50m livre, ficando em quarto em Londres 2012 e sexto na Rio 2016.

O atleta de 32 anos é o nono nadador do Brasil a subir no pódio individual nas Olimpíadas, além de ser o responsável pela quarta medalha do país nos 50m livre do maior evento esportivo do mundo.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

FIA desclassifica Vettel e Hamilton sobe para segundo no GP da Hungria

Fórmula 1
2021-08-01 20:13:00
Autor Gazeta Esportiva
Foto do autor
Gazeta Esportiva Autor
Ver perfil do autor
Tipo Noticia

O pódio do Grande Prêmio da Hungria, realizado neste domingo, 1º, sofreu uma alteração importante. Segundo colocado na corrida, o alemão Vettel recebeu uma punição da FIA e foi desclassificado. Com isso, Sainz subiu ao terceiro lugar e Hamilton terminou atrás apenas do campeão Ocon.

A felicidade de Sebastian Vettel pela conquista do pódio durou pouco tempo. O alemão foi punido pela Federação Internacional de Automobilismo pela quantia de combustível no carro ao final da corrida.

A FIA exige que os carros terminem os Grandes Prêmios com um mínimo de 1L de gasolina, isso porque a substância é encaminhada diretamente para a análise. Vettel finalizou a prova da Hungria com apenas 300ml de combustível.

Punido, a desclassificação de Seb resultou no pódio para o ferrarista Carlos Sainz e deixou Lewis Hamilton na segunda posição da tabela final.

O piloto britânico que já havia ultrapassado o rival Verstappen na classificação geral aumentou sua vantagem - Hamilton chega aos 195 pontos, oito de diferença em relação ao neerlandês.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags