PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Brasília tem ato contra Bolsonaro, o fascismo e pedidos de "ditadura nunca mais"

18:50 | 20/10/2018
Movimentos sociais e populares realizaram um ato, neste sábado, em Brasília (DF), contra o candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro. O protesto teve faixas e gritos contra o fascismo, a ditadura e as fake news de WhatsApp. Além disso, diversos militantes usaram cartazes em favor da candidatura de Fernando Haddad (PT) e sua vice, Manuela D'Ávila (PCdoB).

O protesto começou por volta das 16 horas na Rodoviária do Plano Piloto, região central da capital federal. De lá, os manifestarem marcharam, pelo Eixo Monumental, até a Fundação Nacional das Artes (Funarte). A caminhada interditou três faixas de rolamento, sob escolta da Polícia Militar do Distrito Federal. Segundo os organizadores, o movimento reuniu aproximadamente 10 mil pessoas, enquanto que a PM-DF fez uma estimativa de 6 mil pessoas presentes.

Durante o ato, os manifestantes entoaram o já conhecido grito de "Ele, não" contra Bolsonaro, mas também pediram "ditadura nunca mais" e "livros, sim, armas, não", em referências às propostas de flexibilização do Estatuto do Desarmamento, do presidenciável do PSL.

Os militantes também usaram faixas e cantos para questionar a ausência de Bolsonaro nos debates televisivos. Dirigentes de campanha do presidenciável declararam nesta semana que o candidato não irá a nenhum dos embates previstos pela emissora.

Em razão disso, em diversos dos momentos da manifestação, o grupo cantou: "O Bolsonaro, vem debater, na UTI, no hospital ou na TV". Com camisetas e faixas vermelhas, os participantes também se manifestaram a favor de Haddad. "Eu 'tô' com ele, eu 'tô' com ela, segundo turno é Haddad e Manuela", repetiram em coro.

A manifestação ainda teve a participação de Arlete Sampaio, deputada distrital eleita pelo PT-DF. Ela subiu ao carro de som para chamar de "aberração" a proposta de Bolsonaro de oferecer ensino fundamental à distância no País. "Estamos virando o jogo. Nós não podemos deixar o Palácio do Planalto ser ocupado pelo fascismo", afirmou.

Agência Estado

TAGS