PUBLICIDADE
Notícias

Haddad diz que PT não ficará 'isolado' de alianças

16:40 | 29/07/2018
O ex-prefeito de São Paulo e coordenador do programa de governo do PT, Fernando Haddad, minimizou neste domingo, 29, a falta de alianças do partido, até agora, para as eleições de outubro. "Não acredito que o isolamento vai acontecer, acredito que alguma aliança haverá", disse, antes da participação no evento Conhecer Eleições 2018, sobre Ciência, Tecnologia e Educação, em São Paulo. Segundo ele, a fragmentação da esquerda se deve à "prisão injusta de Lula".

"Se Lula fosse candidato, realmente tenho dúvidas que Ciro, Boulos e Manuela tivessem colocado suas candidaturas - com todo respeito", afirmou. "Estariam todos reunidos em torno do Lula", completou. Sobre a possibilidade de uma aliança com Ciro no primeiro turno, Haddad admitiu ser difícil. "Ele deu declarações recentes de que seria muito difícil", disse.

O ex-prefeito ironizou a negativa do empresário Josué Gomes para o posto de vice na chapa do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB). Segundo Haddad, a negativa ao tucano não pode ser entendida como uma vitória do PT ou da esquerda. "Foi uma vitória pessoal do próprio Josué".

Haddad voltou a afirmar que não será candidato e que a partir do dia 6 pretende voltar a dar aulas no Insper. Para Haddad, o "apelo pelo Lula candidato vai crescer nos próximos dias". "As pessoas querem votar no Lula", emendou.

Haddad afirmou que o quadro eleitoral ainda é confuso, mas "eleição é encruzilhada" que vai decidir os rumos do País por décadas.

Agência Estado

TAGS
Haddad diz que PT não ficará 'isolado' de alianças
PUBLICIDADE
Notícias

Haddad diz que PT não ficará 'isolado' de alianças

16:40 | 29/07/2018
O ex-prefeito de São Paulo e coordenador do programa de governo do PT, Fernando Haddad, minimizou neste domingo, 29, a falta de alianças do partido, até agora, para as eleições de outubro. "Não acredito que o isolamento vai acontecer, acredito que alguma aliança haverá", disse, antes da participação no evento Conhecer Eleições 2018, sobre Ciência, Tecnologia e Educação, em São Paulo. Segundo ele, a fragmentação da esquerda se deve à "prisão injusta de Lula".

"Se Lula fosse candidato, realmente tenho dúvidas que Ciro, Boulos e Manuela tivessem colocado suas candidaturas - com todo respeito", afirmou. "Estariam todos reunidos em torno do Lula", completou. Sobre a possibilidade de uma aliança com Ciro no primeiro turno, Haddad admitiu ser difícil. "Ele deu declarações recentes de que seria muito difícil", disse.

O ex-prefeito ironizou a negativa do empresário Josué Gomes para o posto de vice na chapa do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB). Segundo Haddad, a negativa ao tucano não pode ser entendida como uma vitória do PT ou da esquerda. "Foi uma vitória pessoal do próprio Josué".

Haddad voltou a afirmar que não será candidato e que a partir do dia 6 pretende voltar a dar aulas no Insper. Para Haddad, o "apelo pelo Lula candidato vai crescer nos próximos dias". "As pessoas querem votar no Lula", emendou.

Haddad afirmou que o quadro eleitoral ainda é confuso, mas "eleição é encruzilhada" que vai decidir os rumos do País por décadas.

Agência Estado

TAGS