O POVO Online

PUBLICIDADE
Divirta-se
  • Vida & Arte
  • Vídeos
  • PUBLICIDADE
    Bolsonaro manda emissário para tentar salvar aliança com PRP
    PUBLICIDADE
    Notícias

    Bolsonaro manda emissário para tentar salvar aliança com PRP

    13:10 | 19/07/2018
    Um dia após a negativa do PRP em apoiá-lo nas eleições deste ano, o pré-candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, ainda tentar salvar a aliança do general Augusto Heleno (PRP) para tê-lo como vice.

    O presidente nacional do PSL, Gustavo Bebianno, viaja nesta quinta-feira, 19 para São Paulo, onde tentará um encontro com o presidente do PRP, Ovasco Resende. Em Goiânia, no entanto, onde cumpre agenda de pré-campanha, o deputado ironizou a dificuldade em encontrar aliados

    Resende confirmou que Bebianno entrou em contato com representantes do partido em Brasília, ligados à Bolsonaro, para perguntar se ele o receberia. "Eu disse para o pessoal do PRP-DF que atenderia Bebianno, assim como atenderia qualquer presidente nacional sem problema nenhum. Eu administro o partido, não posso falar não. Devo atender a todos, como estamos fazendo", disse.

    O dirigente disse que aguarda agora a ligação de Bebianno para marcar o encontro. "Eles disseram que ele (Bebianno) iria me ligar, que ele estaria aqui em São Paulo hoje para outras reuniões. É só ele me ligar para saber onde eu estou porque tenho uma agenda extensa hoje, que vai até a madrugada. Vou atendê-lo na medida do possível", afirmou.

    Mais cedo, Bolsonaro declarou em sua conta no Twitter jamais ter firmado compromisso com os partidos que rejeitaram a aliança com o PSL "O nosso partido é o povo e não os líderes partidários que representam o atual sistema no Brasil", afirmou na rede social.

    Viagem

    Em Goiânia, o deputado ironizou a falta de acordo para conseguir alianças eleitorais. "Eu não quero apoio para 2018, não. Quero para 2022, porque 2018 já era", afirmou o militar reformado em tom de brincadeira após ouvir de aliados que ele "já estava eleito" neste ano.

    Líder nas pesquisas de intenção de voto em cenários sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Bolsonaro enfrenta dificuldades para angariar apoio de outros partidos. Em menos de 48 horas, teve frustrada a negociação com o PR do ex-deputado Valdemar Costa Neto e com o nanico PRP - legenda do general da reserva Augusto Heleno Ribeiro, cotado até então como vice na chapa.

    "Vocês viram que ninguém quer fazer acordo comigo. O meu apoio é o povo. Eles podem ter muita coisa, mas não têm o carinho de vocês", disse a militantes que o aguardavam no aeroporto de Goiânia na manhã desta quinta.

    Segundo Bolsonaro, uma das opções para formar sua chapa como vice é a advogada Janaína Paschoal, uma das coautoras do pedido de impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff.

    Ela filiou-se há pouco ao PSL de Bolsonaro. "Temos que ver as afinidades com Janaína, nas questões como MST, a maioridade. Ver como estará a situação dela em relação à família para uma campanha. Ela é uma guerreira. Hoje, o general (Alberto) Mourão está no banco, junto com a Janaína", disse. "Temos que conversar com o Levy Fidelix (presidente do PRTB, partido de Mourão)."

    Apesar do discurso de que não precisar do apoio de partidos, o pré-candidato disse que ainda negocia com o PRP de Heleno. "Estamos conversando ainda com o PRP para uma aliança apenas nacional. Devo conversar ainda com o general Heleno até amanhã (sexta-feira, 20). Quando ele foi lançado, foi um sucesso nos Estados. Todos queriam tirar foto com ele", afirmou.

    Integrantes da campanha dizem, porém, que as conversas com o PRP se esgotaram e que Heleno terá outra função na campanha.

    Agência Estado

    TAGS
  • Divirta-se
  • Vida & Arte
  • Vídeos
  • PUBLICIDADE
    Notícias

    Bolsonaro manda emissário para tentar salvar aliança com PRP

    13:10 | 19/07/2018
    Um dia após a negativa do PRP em apoiá-lo nas eleições deste ano, o pré-candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, ainda tentar salvar a aliança do general Augusto Heleno (PRP) para tê-lo como vice.

    O presidente nacional do PSL, Gustavo Bebianno, viaja nesta quinta-feira, 19 para São Paulo, onde tentará um encontro com o presidente do PRP, Ovasco Resende. Em Goiânia, no entanto, onde cumpre agenda de pré-campanha, o deputado ironizou a dificuldade em encontrar aliados

    Resende confirmou que Bebianno entrou em contato com representantes do partido em Brasília, ligados à Bolsonaro, para perguntar se ele o receberia. "Eu disse para o pessoal do PRP-DF que atenderia Bebianno, assim como atenderia qualquer presidente nacional sem problema nenhum. Eu administro o partido, não posso falar não. Devo atender a todos, como estamos fazendo", disse.

    O dirigente disse que aguarda agora a ligação de Bebianno para marcar o encontro. "Eles disseram que ele (Bebianno) iria me ligar, que ele estaria aqui em São Paulo hoje para outras reuniões. É só ele me ligar para saber onde eu estou porque tenho uma agenda extensa hoje, que vai até a madrugada. Vou atendê-lo na medida do possível", afirmou.

    Mais cedo, Bolsonaro declarou em sua conta no Twitter jamais ter firmado compromisso com os partidos que rejeitaram a aliança com o PSL "O nosso partido é o povo e não os líderes partidários que representam o atual sistema no Brasil", afirmou na rede social.

    Viagem

    Em Goiânia, o deputado ironizou a falta de acordo para conseguir alianças eleitorais. "Eu não quero apoio para 2018, não. Quero para 2022, porque 2018 já era", afirmou o militar reformado em tom de brincadeira após ouvir de aliados que ele "já estava eleito" neste ano.

    Líder nas pesquisas de intenção de voto em cenários sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Bolsonaro enfrenta dificuldades para angariar apoio de outros partidos. Em menos de 48 horas, teve frustrada a negociação com o PR do ex-deputado Valdemar Costa Neto e com o nanico PRP - legenda do general da reserva Augusto Heleno Ribeiro, cotado até então como vice na chapa.

    "Vocês viram que ninguém quer fazer acordo comigo. O meu apoio é o povo. Eles podem ter muita coisa, mas não têm o carinho de vocês", disse a militantes que o aguardavam no aeroporto de Goiânia na manhã desta quinta.

    Segundo Bolsonaro, uma das opções para formar sua chapa como vice é a advogada Janaína Paschoal, uma das coautoras do pedido de impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff.

    Ela filiou-se há pouco ao PSL de Bolsonaro. "Temos que ver as afinidades com Janaína, nas questões como MST, a maioridade. Ver como estará a situação dela em relação à família para uma campanha. Ela é uma guerreira. Hoje, o general (Alberto) Mourão está no banco, junto com a Janaína", disse. "Temos que conversar com o Levy Fidelix (presidente do PRTB, partido de Mourão)."

    Apesar do discurso de que não precisar do apoio de partidos, o pré-candidato disse que ainda negocia com o PRP de Heleno. "Estamos conversando ainda com o PRP para uma aliança apenas nacional. Devo conversar ainda com o general Heleno até amanhã (sexta-feira, 20). Quando ele foi lançado, foi um sucesso nos Estados. Todos queriam tirar foto com ele", afirmou.

    Integrantes da campanha dizem, porém, que as conversas com o PRP se esgotaram e que Heleno terá outra função na campanha.

    Agência Estado

    TAGS
  • Tecnologia
  • Curiosidades
  • Esportes
  • Divirta-se
  • Vida & Arte
  • Vídeos
  • PUBLICIDADE
    Notícias

    Bolsonaro manda emissário para tentar salvar aliança com PRP

    13:10 | 19/07/2018
    Um dia após a negativa do PRP em apoiá-lo nas eleições deste ano, o pré-candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, ainda tentar salvar a aliança do general Augusto Heleno (PRP) para tê-lo como vice.

    O presidente nacional do PSL, Gustavo Bebianno, viaja nesta quinta-feira, 19 para São Paulo, onde tentará um encontro com o presidente do PRP, Ovasco Resende. Em Goiânia, no entanto, onde cumpre agenda de pré-campanha, o deputado ironizou a dificuldade em encontrar aliados

    Resende confirmou que Bebianno entrou em contato com representantes do partido em Brasília, ligados à Bolsonaro, para perguntar se ele o receberia. "Eu disse para o pessoal do PRP-DF que atenderia Bebianno, assim como atenderia qualquer presidente nacional sem problema nenhum. Eu administro o partido, não posso falar não. Devo atender a todos, como estamos fazendo", disse.

    O dirigente disse que aguarda agora a ligação de Bebianno para marcar o encontro. "Eles disseram que ele (Bebianno) iria me ligar, que ele estaria aqui em São Paulo hoje para outras reuniões. É só ele me ligar para saber onde eu estou porque tenho uma agenda extensa hoje, que vai até a madrugada. Vou atendê-lo na medida do possível", afirmou.

    Mais cedo, Bolsonaro declarou em sua conta no Twitter jamais ter firmado compromisso com os partidos que rejeitaram a aliança com o PSL "O nosso partido é o povo e não os líderes partidários que representam o atual sistema no Brasil", afirmou na rede social.

    Viagem

    Em Goiânia, o deputado ironizou a falta de acordo para conseguir alianças eleitorais. "Eu não quero apoio para 2018, não. Quero para 2022, porque 2018 já era", afirmou o militar reformado em tom de brincadeira após ouvir de aliados que ele "já estava eleito" neste ano.

    Líder nas pesquisas de intenção de voto em cenários sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Bolsonaro enfrenta dificuldades para angariar apoio de outros partidos. Em menos de 48 horas, teve frustrada a negociação com o PR do ex-deputado Valdemar Costa Neto e com o nanico PRP - legenda do general da reserva Augusto Heleno Ribeiro, cotado até então como vice na chapa.

    "Vocês viram que ninguém quer fazer acordo comigo. O meu apoio é o povo. Eles podem ter muita coisa, mas não têm o carinho de vocês", disse a militantes que o aguardavam no aeroporto de Goiânia na manhã desta quinta.

    Segundo Bolsonaro, uma das opções para formar sua chapa como vice é a advogada Janaína Paschoal, uma das coautoras do pedido de impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff.

    Ela filiou-se há pouco ao PSL de Bolsonaro. "Temos que ver as afinidades com Janaína, nas questões como MST, a maioridade. Ver como estará a situação dela em relação à família para uma campanha. Ela é uma guerreira. Hoje, o general (Alberto) Mourão está no banco, junto com a Janaína", disse. "Temos que conversar com o Levy Fidelix (presidente do PRTB, partido de Mourão)."

    Apesar do discurso de que não precisar do apoio de partidos, o pré-candidato disse que ainda negocia com o PRP de Heleno. "Estamos conversando ainda com o PRP para uma aliança apenas nacional. Devo conversar ainda com o general Heleno até amanhã (sexta-feira, 20). Quando ele foi lançado, foi um sucesso nos Estados. Todos queriam tirar foto com ele", afirmou.

    Integrantes da campanha dizem, porém, que as conversas com o PRP se esgotaram e que Heleno terá outra função na campanha.

    Agência Estado

    TAGS
    Bolsonaro manda emissário para tentar salvar aliança com PRP
    PUBLICIDADE
    Notícias

    Bolsonaro manda emissário para tentar salvar aliança com PRP

    13:10 | 19/07/2018
    Um dia após a negativa do PRP em apoiá-lo nas eleições deste ano, o pré-candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, ainda tentar salvar a aliança do general Augusto Heleno (PRP) para tê-lo como vice.

    O presidente nacional do PSL, Gustavo Bebianno, viaja nesta quinta-feira, 19 para São Paulo, onde tentará um encontro com o presidente do PRP, Ovasco Resende. Em Goiânia, no entanto, onde cumpre agenda de pré-campanha, o deputado ironizou a dificuldade em encontrar aliados

    Resende confirmou que Bebianno entrou em contato com representantes do partido em Brasília, ligados à Bolsonaro, para perguntar se ele o receberia. "Eu disse para o pessoal do PRP-DF que atenderia Bebianno, assim como atenderia qualquer presidente nacional sem problema nenhum. Eu administro o partido, não posso falar não. Devo atender a todos, como estamos fazendo", disse.

    O dirigente disse que aguarda agora a ligação de Bebianno para marcar o encontro. "Eles disseram que ele (Bebianno) iria me ligar, que ele estaria aqui em São Paulo hoje para outras reuniões. É só ele me ligar para saber onde eu estou porque tenho uma agenda extensa hoje, que vai até a madrugada. Vou atendê-lo na medida do possível", afirmou.

    Mais cedo, Bolsonaro declarou em sua conta no Twitter jamais ter firmado compromisso com os partidos que rejeitaram a aliança com o PSL "O nosso partido é o povo e não os líderes partidários que representam o atual sistema no Brasil", afirmou na rede social.

    Viagem

    Em Goiânia, o deputado ironizou a falta de acordo para conseguir alianças eleitorais. "Eu não quero apoio para 2018, não. Quero para 2022, porque 2018 já era", afirmou o militar reformado em tom de brincadeira após ouvir de aliados que ele "já estava eleito" neste ano.

    Líder nas pesquisas de intenção de voto em cenários sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Bolsonaro enfrenta dificuldades para angariar apoio de outros partidos. Em menos de 48 horas, teve frustrada a negociação com o PR do ex-deputado Valdemar Costa Neto e com o nanico PRP - legenda do general da reserva Augusto Heleno Ribeiro, cotado até então como vice na chapa.

    "Vocês viram que ninguém quer fazer acordo comigo. O meu apoio é o povo. Eles podem ter muita coisa, mas não têm o carinho de vocês", disse a militantes que o aguardavam no aeroporto de Goiânia na manhã desta quinta.

    Segundo Bolsonaro, uma das opções para formar sua chapa como vice é a advogada Janaína Paschoal, uma das coautoras do pedido de impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff.

    Ela filiou-se há pouco ao PSL de Bolsonaro. "Temos que ver as afinidades com Janaína, nas questões como MST, a maioridade. Ver como estará a situação dela em relação à família para uma campanha. Ela é uma guerreira. Hoje, o general (Alberto) Mourão está no banco, junto com a Janaína", disse. "Temos que conversar com o Levy Fidelix (presidente do PRTB, partido de Mourão)."

    Apesar do discurso de que não precisar do apoio de partidos, o pré-candidato disse que ainda negocia com o PRP de Heleno. "Estamos conversando ainda com o PRP para uma aliança apenas nacional. Devo conversar ainda com o general Heleno até amanhã (sexta-feira, 20). Quando ele foi lançado, foi um sucesso nos Estados. Todos queriam tirar foto com ele", afirmou.

    Integrantes da campanha dizem, porém, que as conversas com o PRP se esgotaram e que Heleno terá outra função na campanha.

    Agência Estado

    TAGS