PUBLICIDADE
Notícias

Gilmar reafirma que Barbosa teria dificuldades de dialogar com classe política

18:40 | 08/05/2018
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, disse nesta terça-feira, 8, que apesar de ter todas as credenciais possíveis para disputar a Presidência, seu ex-colega de Corte Joaquim Barbosa teria dificuldade para dialogar com a classe política.

Em entrevista à Rádio Guaíba, de Porto Alegre, Gilmar Mendes fez uma análise do atual cenário político e endossou discurso de que a governabilidade passa pela maioria no Congresso. "Normalmente, o maior partido precisa fazer uma ponte com outros para ter maioria absoluta. Então, é preciso negociar e discutir", afirmou.

Sobre a desistência da pré-candidatura de Joaquim Barbosa pelo PSB, Gilmar Mendes preferiu não entrar no mérito da decisão, mas pontuou as dificuldades de se conduzir o País. "Eu não vou fazer juízo sobre isso, pois a tarefa de presidente da República é muito complexa. Dos quatro presidentes eleitos sob a Constituição de 88, Collor, FHC, Lula e Dilma Rousseff, somente dois terminaram o mandato", declarou.

Lula

O ministro do STF ainda rechaçou qualquer possibilidade de ir até Curitiba para entrevistar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde 7 de abril na Superintendência da Polícia Federal. "Não iria ao presídio para tanto", disse. Ele reforçou que a suposta entrevista, ventilada na impressa, é parte de um projeto que analisa a passagem dos 30 anos da Constituição Federal. "No caso de chegar a hora de ouvir Lula, se ele ainda estiver preso, alguém irá até lá para conversar com ele", finalizou.

Agência Estado

TAGS
Gilmar reafirma que Barbosa teria dificuldades de dialogar com classe política
PUBLICIDADE
Notícias

Gilmar reafirma que Barbosa teria dificuldades de dialogar com classe política

18:40 | 08/05/2018
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, disse nesta terça-feira, 8, que apesar de ter todas as credenciais possíveis para disputar a Presidência, seu ex-colega de Corte Joaquim Barbosa teria dificuldade para dialogar com a classe política.

Em entrevista à Rádio Guaíba, de Porto Alegre, Gilmar Mendes fez uma análise do atual cenário político e endossou discurso de que a governabilidade passa pela maioria no Congresso. "Normalmente, o maior partido precisa fazer uma ponte com outros para ter maioria absoluta. Então, é preciso negociar e discutir", afirmou.

Sobre a desistência da pré-candidatura de Joaquim Barbosa pelo PSB, Gilmar Mendes preferiu não entrar no mérito da decisão, mas pontuou as dificuldades de se conduzir o País. "Eu não vou fazer juízo sobre isso, pois a tarefa de presidente da República é muito complexa. Dos quatro presidentes eleitos sob a Constituição de 88, Collor, FHC, Lula e Dilma Rousseff, somente dois terminaram o mandato", declarou.

Lula

O ministro do STF ainda rechaçou qualquer possibilidade de ir até Curitiba para entrevistar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde 7 de abril na Superintendência da Polícia Federal. "Não iria ao presídio para tanto", disse. Ele reforçou que a suposta entrevista, ventilada na impressa, é parte de um projeto que analisa a passagem dos 30 anos da Constituição Federal. "No caso de chegar a hora de ouvir Lula, se ele ainda estiver preso, alguém irá até lá para conversar com ele", finalizou.

Agência Estado

TAGS