Participamos do

Ciro chama Wagner de "capetão" e o compara a Bolsonaro: "Farinha do mesmo saco"

Presidenciável do PDT ainda acusou Wagner de ter criado um "partido político clandestino dentro da Polícia Militar" e voltou a dizer que o deputado liderou motins da PM
22:37 | Mar. 25, 2022
Autor Luciano Cesário
Foto do autor
Luciano Cesário Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O presidenciável Ciro Gomes (PDT) usou o termo “capetão” para se referir ao deputado federal e pré-candidato ao Governo do Ceará, Capitão Wagner (União Brasil), durante conversa com a imprensa nesta sexta-feira, 25, em Fortaleza. Questionado sobre a aproximação entre Wagner e o presidente Jair Bolsonaro (PL), Ciro disse que os dois “são farinha do mesmo saco” e acusou o parlamentar de ter criado um “partido político clandestino dentro da Polícia Militar”.

“Qual é a obra do ‘capetão’ aqui no Ceará? Ele liderou dois motins em que 300 pessoas foram assassinadas numa noite. Essa é a obra dele, que se projeta porque fundou dentro da Polícia Militar do Ceará um partido político. E não por constrangimento ou coincidência, é contemporâneo ao fenômeno de milícias e facções criminosas a presença desse partido político clandestino dentro da Polícia Militar, que felizmente está acabando”, afirmou o pedetista.

As declarações do ex-ministro ocorreram minutos antes da solenidade de entrega da Medalha da Abolição – principal honraria concedida pelo Governo do Estado, que teve o seu irmão, o senador Cid Gomes (PDT), como uma das personalidades homenageadas neste ano. A cerimônia foi realizada no Palácio da Abolição e também teve caráter retroativo aos dois anos anteriores, em virtude da pandemia da Covid-19.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Na conversa com a imprensa, Ciro também comentou o provável afastamento do governador Camilo Santana (PDT), que deve deixar o Governo até o dia 2 de abril para concorrer ao Senado nas eleições deste ano. “Daqui a sete dias [ele] será recrutado por nós para ser o senador que vai dar grande relevo à estratégia do Ceará no Senado”, disse.

Sobre a sucessão estadual, o pedetista ressaltou que o processo para a escolha do candidato governista será liderado por Camilo. “O PDT tem apresentado quatro personalidades que têm características complementares e que estarão coesas na definição, pelo povo, de quem vai ser o escolhido”, declarou. Ciro se referiu ao ex-prefeito de Fortaleza Roberto Cláudio, à vice-governadora Izolda Cela, ao presidente da Assembleia Legislativa Evandro Leitão e ao deputado federal Mauro Filho, nomes do partido que se postulam como pré-candidatos ao Governo.

Com informações do repórter Henrique Araújo

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Leia Mais.

Aceitar