Participamos do

Bolsonaro confirma viagem a Moscou mesmo com escalada de tensões na Ucrânia

14:11 | Fev. 12, 2022
Autor Agência Estado
Foto do autor
Agência Estado Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O presidente Jair Bolsonaro (PL) confirmou neste sábado, 12, que vai viajar para Moscou na próxima segunda-feira, 14, apesar das tensões crescentes entre Rússia e Ucrânia, e citou a dependência brasileira dos fertilizantes russos. A manutenção da viagem em meio à iminência de um ataque a Kiev pelo presidente da Rússia, Vladimir Putin, foi antecipada ontem pelo Broadcast Político/Estadão.

"Fui convidado pelo presidente Putin. O Brasil depende de fertilizantes da Rússia e da Bielorrúsia. Levaremos um grupo de ministros também para tratarmos de outros assuntos que interessam ao nosso País, energia, defesa e agricultura", afirmou o presidente em transmissão ao vivo nas redes sociais, após conceder entrevista ao ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho (PROS), na Rádio Tupi.

Bolsonaro deve embarcar para Moscou às 19 horas da segunda-feira e chegar ao destino apenas na noite de terça-feira. Na quarta-feira, 16, se reúne com Putin e empresários locais em meio à preocupação do agronegócio brasileiro sobre a política protecionista russa em torno de fertilizantes essenciais para as lavouras.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, no entanto, não deverá participar da comitiva. Ela testou positivo para a covid-19 na última terça-feira e ainda não se recuperou. Cristina, cotada para a vice de Bolsonaro nas eleições de 2022, é quem lidera as discussões com os russos sobre fertilizantes.

"A gente pede a Deus que reine a paz no mundo para o bem de todos nós", limitou-se a dizer sobre o conflito envolvendo seu primeiro destino internacional em 2022 e a Ucrânia, apoiada pelos Estados Unidos e outros países do Ocidente.

A situação na Rússia vem sendo monitorada pelo Gabinete de Segurança Institucional e pelo Ministério da Defesa. O Estadão apurou que a equipe chefiada pelo ministro Augusto Heleno já se manifestou contra a viagem. A coordenação entre eles será crucial para uma decisão final, segundo auxiliares diretos do presidente. Somente o estopim do conflito poderia cancelar a viagem.

Segundo o assessor de segurança nacional do presidente Joe Biden, Jake Sullivan, uma invasão pode ocorrer na semana que vem ou até mesmo no fim de semana. Sullivan disse ainda que não há informações se Putin já tomou a decisão, mas a inteligência americana trabalha com um cenário de uma ocupação rápida da capital, Kiev.

Um ataque russo poderia começar a qualquer dia e provavelmente começaria com um ataque aéreo, enquanto um rápido avanço em Kiev também é possível, disse o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca em entrevista coletiva. Após o anúnciodiversos países iniciaram uma mobilização para a retirada de funcionários diplomáticos e cidadãos na Ucrânia após o anúncio. A emb, aixada brasileira em Kiev recomendou que seus cidadãos mantenham-se em alerta, mas reiterou que não há recomendação de que os brasileiros devem deixar a Ucrânia.

"A Embaixada do Brasil em Kiev informa que continua a acompanhar a situação na Ucrânia, em permanente contato com o Itamaraty em Brasília e em próxima coordenação com as autoridades ucranianas e com a comunidade diplomática local, composta de representações de 80 países, além de diversas organizações internacionais", disse em nota.

"A Embaixada reitera que os cidadãos brasileiros devem manter-se alertas e sempre atualizados por meio de fontes locais e internacionais confiáveis. Ao mesmo tempo, não há recomendação de segurança contrária à permanência na Ucrânia", completa. Alertas e recomendações à comunidade brasileira na Ucrânia serão transmitidos via redes sociais e o site oficial da embaixada, caso seja necessário, informa.

Assessores da Presidência embarcam neste sábado, em voo comercial. Outros já estão em Moscou. Depois da Rússia, Bolsonaro segue para Budapeste, para agenda com o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, líder nacionalista de extrema direita.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags