Participamos do

No RJ, vereador diz em plenário que torturador que matou Marighella deveria ter "levado" Dilma também

Parlamentar usou a tribuna para homenagear um dos nomes mais conhecidos do período repressivo e ofender a ex-presidente Dilma Rousseff (PT)
16:50 | Nov. 19, 2021
Autor Rose Serafim
Foto do autor
Rose Serafim Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

No último dia 9 de novembro, na cidade de Resende, no Rio de Janeiro, um vereador utilizou o espaço no plenário da Câmara local para homenagear o delegado Sergio Paranhos Fleury, do Departamento de Ordem Política e Social (Dops) de São Paulo, um dos repressores mais conhecidos do período.

O parlamentar José Antônio Nogueira (Patriota) parabenizou Fleury por ter “executado” Carlos Marighella, líder da Ação Libertadora Nacional (ALN) e retratado em filme recentemente lançado no país. O vereador classificou a execução como um “feito histórico” e ainda disse que o opressor deveria ter dado o mesmo destino a outros combatentes do regime, como a “terrorista Dilma”.

No momento da fala, Zé Antônio usa um boné com a inscrição “Bolsonaro 2022”.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

O Partido dos Trabalhadores de Resende lançou uma nota de repúdio na ocasião e protocolou nesta quinta-feira, 18, uma notícia crime contra o parlamentar no Ministério Público. A agremiação ainda pediu à Câmara de Municipal a instauração de processo político administrativo contra o vereador.

Nas redes sociais, José Antônio argumenta que tem sido atacado pelo PT por exercer a liberdade de expressão.

Veja vídeo:

Além da perseguição a Marighella e acusação de diversos crimes, como a atuação em esquadrões da morte, são atribuídos a Fleury diversos outros episódios de sequestro, tortura e assassinato durante a ditadura militar, como o do militante Carlos Lamarca e do frade católico cearense Frei Tito.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags