Participamos do

Deputado diz que morte de Marília Mendonça será apurada na CPI da Cemig

Por nota, a Cemig defendeu que a Linha de Distribuição atingida pela aeronave está fora da zona de proteção do Aeródromo de Caratinga, nos termos de Portaria específica do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), do Comando da Aeronáutica Brasileiro
16:17 | Nov. 08, 2021
Autor Filipe Pereira
Foto do autor
Filipe Pereira Repórter de Política
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O deputado Professor Cleiton, sub-relator da CPI da Cemig, defendeu neste sábado, 6, que os responsáveis pela diretoria da companhia podem ter contribuído para o acidente de avião que culminou na morte da cantora Marília Mendonça e de outras quatro pessoas. "Os responsáveis serão identificados e devidamente responsabilizados", disse o parlamentar, ao afirmar que a tragédia será apurada na CPI.

"O lamentável acidente aéreo ocorrido nas proximidades de Caratinga, que ceifou 5 vidas, incluindo a da cantora #MariliaMendonca, abrirá um novo capítulo na #CPIdaCemig", escreveu o parlamentar em sua conta no Twitter. 

"A negligência da atual diretoria, a avidez pela privatização do atual governo, que tem levado ao sucateamento da empresa e à corrupção na CEMIG, podem ter provocado mais essa tragédia. Os responsáveis serão identificados e devidamente responsabilizados", completou Cleiton.

Por nota, a Cemig defendeu que a Linha de Distribuição atingida pela aeronave está fora da zona de proteção do Aeródromo de Caratinga, nos termos de Portaria específica do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), do Comando da Aeronáutica Brasileiro. "Reiteramos que a Cemig segue rigorosamente as Normas Técnicas Brasileiras e a regulamentação em vigor em todos os seus projetos", escreveu. 

"As investigações das autoridades competentes irão esclarecer as causas do acidente. A companhia novamente lamenta esse trágico incidente e se solidariza com parentes e amigos das vítimas", finalizou.

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente