Participamos do

Deltan Dallagnol pede exoneração do MP e deve iniciar carreira política

Seguindo os passos do ex-juiz e pré-canditado à Presidência da República Sérgio Moro, o procurador deve se filiar ao Podemos
16:51 | Nov. 04, 2021
Autor Maria Eduarda Pessoa
Foto do autor
Maria Eduarda Pessoa Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O procurador da República e ex-coordenador da operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, desligou-se do cargo no Ministério Público e deve disputar uma vaga na Câmara dos Deputados na eleição de 2022. A informação é da jornalista Eliane Cantanhêde para o Estadão.

Deltan anunciou a decisão de afastamento do órgão em publicação nas redes sociais na tarde desta quinta-feira, 4. "Após mais de 18 anos de trabalho em amor ao próximo, estou saindo do Ministério Público e queria contar a você o porquê. Minha vontade é fazer mais, fazer melhor e fazer diferente diante do desmonte do combate à corrupção que está acontecendo", escreveu na legenda da publicação que leva a um vídeo.

No registro gravado, o procurador não entra em detalhes sobre uma eventual candidatura, mas afirma que agora pode "fazer mais pelo país fora do Ministério Público".

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Deltan se tornou nacionalmente conhecido pelo trabalho à frente da maior operação de combate à corrupção na história do País. Em setembro do ano passado, todavia, ele foi afastado da coordenação da força-tarefa em Curitiba após ter tido mensagens com o então juiz da 13ª Vara Federal de Curitiba, Sérgio Moro, e outros procuradores divulgadas pela "Vaza Jato" - série de reportagens do jornal Intercep Brasil.

Seguindo os passos do ex-juiz e pré-candidato à Presidência da República Sérgio Moro, o procurador deve se filiar ao Podemos, de Álvaro Dias, para disputar um cargo no Legislativo no próximo ano. O interesse de entrar para a política de Deltan é antigo, no entanto, colegas da Lava Jato o desencorajavam, porque temiam o mesmo fim da Operação Mãos Limpas, na Itália, que perdeu a força após um dos seus principais coordenadores entrar para a política.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags