Participamos do

Davi Alcolumbre praticava "rachadinha" em gabinete no Senado, afirma revista

Seis ex-funcionárias denunciam o caso. Algumas delas chegavam a ter salários de R$ 14 mil, mas tinham de devolver mais de 90% deste valor
11:32 | Out. 29, 2021
Autor Filipe Pereira
Foto do autor
Filipe Pereira Repórter Política
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Davi Alcolumbre praticava “rachadinha” em gabinete no Senado, afirma revista Veja na edição desta semana. O senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) é acusado de praticar “rachadinha” em seu gabinete no Senado Federal. Segundo reportagem, seis ex-funcionárias revelam que foram empregadas pelo parlamentar, mas nunca trabalharam e devolviam grande parte de seus salários.

São elas: Marina, Lilian, Erica, Larissa, Jessyca e Adriana, todas moradoras do Distrito Federal. Elas eram contratadas com salários que variavam entre R$ 4 mil e R$ 14 mil, abriam conta em um banco, entregavam o cartão a uma pessoa de confiança de Alcolumbre e ficavam com uma parcela minúscula do dinheiro.

“O senador me disse assim: ‘Eu te ajudo e você me ajuda’. Estava desempregada. Meu salário era mais de R$ 14mil, mas topei receber apenas 1.350 reais. A única orientação era para que eu não dissesse para ninguém que tinha sido contratada no Senado”, revela a diarista Marina dos Santos, 33 anos, ao repórter Hugo Marques, da revista Veja.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

O esquema durou cinco anos: de janeiro de 2016 a março deste ano. Outra “funcionária”, a estudante Erica Castro, 31 anos, também confirma o esquema. “Meu salário era acima dos 14 mil reais, mas eu só recebia 900 reais. Eles ficavam até com a gratificação natalina. Na época, eu precisava muito desse dinheiro. Hoje tenho vergonha disso”.

As funcionárias contam ainda que Alcolumbre tinha preferência por mulheres que tinham filhos. Isso porque o Senado paga um auxílio de 830 reais para cada filho em idade pré-­escolar. Quanto mais dependentes cada funcionária tivesse, maior o salário ficaria.

Uma das assessoras tem cinco filhos. Adriana Souza de Almeida topou participar do esquema sem saber de detalhes. Ela é empregada de uma fazenda, onde mora com o companheiro e os filhos, diz que esteve no Senado “umas quatro vezes” para levar os documentos, não tem a mínima ideia do cargo que exercia e nem sabe direito por que foi demitida. “Nunca prestei nenhum tipo de serviço para o senador, e também nunca vi ele.”

Outra funcionária, Lilian Alves Braga, conta que foi demitida quando estava grávida de oito meses. Ela foi à Justiça para cobrar indenização de Alcolumbre por não ter recebido direitos trabalhistas.

Ao responder à reportagem, o senador defendeu que se concentra nas atividades legislativas e que questões administrativas, como a contratação de funcionários, ficavam a cargo de seu então chefe de gabinete, Paulo Boudens. Ele garante não se lembrar das ex-funcionárias citadas na reportagem e que ninguém estava autorizado a ficar com os salários das servidoras. Boudens foi exonerado em 2020. Ele não foi localizado até a publicação desta matéria.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags