PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

'Eu não sabia. Fui atropelado por um trem', diz general Ramos sobre demissão

14:14 | 23/07/2021

Apesar de ter conversado com o presidente Jair Bolsonaro um bom tempo na tarde de segunda-feira, quando ele voltou ao Planalto depois da internação em São Paulo, o general da reserva Luiz Eduardo Ramos não fazia a menor ideia de que seria demitido da Casa Civil dois dias depois. "Eu não sabia, estou em choque. Fui atropelado por um trem, mas passo bem", disse ele ao Estadão, tentando demonstrar bom humor.

Segundo Ramos, que é considerado um dos mais leais colaboradores e amigos de Bolsonaro, o presidente já comunicou a ele a sua substituição pelo senador Ciro Nogueira (Progressistas-PI), nesta quarta-feira, 21, mas não confirmou nada sobre sua eventual ida para a Secretaria-Geral da Presidência, no lugar do ministro Onyx Lorenzoni, como a imprensa noticia. "O presidente é ele, eu sou soldado, cumpro missão. Aprendi, em 47 anos de vida militar, que soldado não escolhe missão. Se ele me der outra no governo, eu aceito", antecipou o general, que manifestou o desejo de permanecer com gabinete no Planalto.

Ele tem uma situação particularmente delicada no governo: general de quatro estrelas, topo da carreira militar, ele abriu mão de um ano e seis meses no Exército, desistiu do sonho de ser comandante do Leste, no Rio de Janeiro, e passou para a reserva exatamente para um cargo relevante no governo do velho amigo Bolsonaro. Isso agora está em risco.

Só uma coisa Ramos não admite: que façam "fofoca" ou publiquem que ele está caindo por incompetência ou por ter inimigos e sofrer pressões no Congresso. "Isso, não. Eu estava, aliás, ainda estou muito feliz na Casa Civil e dei o melhor de mim. Tanto que estou recebendo telefonemas de parlamentares de vários partidos, em solidariedade", disse.

Então, por que a troca? A resposta do general é direta: "Por motivos políticos, óbvio. Se eu estivesse sendo trocado por alguém formado em Oxford, ou Harvard, tudo bem, poderiam dizer que falhei. Mas é por um político aliado do presidente, é assim que funciona".

Realmente, o general Ramos, que foi Secretário de Governo e assumiu a Casa Civil em março deste ano, está sendo substituído por Ciro Nogueira, presidente nacional do Progressistas e um dos principais líderes do Centrão, que, aliás, votou ostensivamente a favor do petista Fernando Haddad e contra Jair Bolsonaro em 2018.

Quanto mais Bolsonaro é acossado pela CPI da Covid e pela queda de popularidade, ele vai ocupando o Planalto com políticos do Centrão, enquanto acumula demissões de militares. Já demitiu o general Fernando Azevedo e Silva da Defesa e os comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica, todos de quatro estrelas, além do general Santos Cruz (Secretaria de Governo), Juarez de Paula (Correios), Franklimberg Freitas (Funai) e Eduardo Pazuello (Saúde), que é da ativa.