PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Mayra na mira da CPI da Covid; veja outros cearenses já investigados pelo Congresso

Políticos ligados a outros governos já foram alvo de investigações

Carlos Holanda
12:07 | 20/06/2021
Brasília - José Genoino foi inocentado após ter sido preso no escândalo do Mensalão. (Foto: José Cruz)
Brasília - José Genoino foi inocentado após ter sido preso no escândalo do Mensalão. (Foto: José Cruz)

Secretária no Ministério da Saúde, a médica cearense Mayra Pinheiro entrou oficialmente na mira da CPI da Covid. Isto é, ela saiu da condição de testemunha para a de investigada (entenda mais aqui). Nesta fase, a CPI pode tomar ações mais rígidas, como determinar buscas e apreensões. Mayra foi encarregada de elaborar o TrateCov, aplicativo com um conjunto de recomendações de remédios ineficazes no tratamento da doença.

Ela não é a primeira cearense a entrar na mira de comissões de inquérito em Brasília. Políticos ligados a outros governos já foram alvo de investigações. 

Carlos Benevides - CPI dos Anões do Orçamento (1993)

A CPI dos Anões do Orçamento investigou 37 parlamentares por suposto envolvimento em fraudes na Comissão de Orçamento do Congresso Nacional. Carlos Benevides, então no PMDB, figurou na lista dos investigados. Ele foi cassado em 1994, mas absolvido pelo Supremo Tribunal Federal (STF). É filho do ex-senador Mauro Benevides (MDB) e irmão de Mauro Benevides Filho, secretário de Planejamento e Gestão do Ceará. O termo Anões se explica pelos envolvidos serem políticos de baixa repercussão.

Almeida de Jesus (ex-PL) e José Airton (PT) - CPI dos Sanguessugas (2004)

Dos mais lembrados escândalos do País, alcançando aproximadamente 15% do Congresso Nacional. Indícios da "máfia das ambulâncias" apareceram em 2004 após apresentação de relatório da Controladoria Geral da União (CGU). CPI dos Sanguessugas pediu a cassação de 69 deputados e três senadores, acusados de receber propina da empresa Planam para apresentar emendas ao Orçamento destinando recursos para a aquisição de ambulâncias superfaturadas por prefeituras. Entre eles estava o ex-deputado Almeida de Jesus (ex-PL) e José Airton (PT), deputado federal (entenda mais aqui).

José Genoino - CPI dos Correios (2005) 

A instauração desta comissão envolveu Roberto Jefferson, presidente do PTB, da base do governo Lula, e hoje dos mais fervorosos bolsonaristas. A origem foram denúncias de corrupção envolvendo os Correios e Jefferson. Mais tarde, a CPI iria desencadear o escândalo do Mensalão, denunciado pelo dirigente do PTB. Um dos fundadores do Partido dos Trabalhadores e natural de Quixeramobim, José Genoino, ex-deputado federal pelo PT de São Paulo, aparece mais à frente como operador dos repasses a parlamentares para que votassem de modo favorável às matérias do governo Lula. José Dirceu e Delúbio Soares, ao lado dele, compunham o núcleo político do PT responsável pelas transações. A situação de Genoino ficou delicada quando José Adalberto Vieira, à época assessor de José Guimarães (PT), foi preso com dinheiro na cueca. Ele renunciou à presidência nacional do PT. Genoino seria preso, mas depois inocentado ao lado de Delúbio pela 3ª turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF 1). O irmão também, pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).