Participamos do

Professor preso com adesivo "Bolsonaro genocida" é solto em Goiás

A Secretaria de Segurança Pública de Goiás anunciou o afastamento do policial militar que prendeu o professor. O órgão classificou o ocorrido como "lamentável"
10:31 | Jun. 01, 2021
Autor Vítor Magalhães
Foto do autor
Vítor Magalhães Repórter de Política
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O professor do ensino médio e dirigente do PT em Goiás, Arquidones Bites, foi solto pela Polícia Federal (PF) após ter sido levado à sede do órgão em Goiânia por ter se recusado a retirar um adesivo do próprio carro com a frase “Fora, Bolsonaro Genocida”. Após a liberação, Arquidones discursou e comemorou proferindo a mesma frase na saída da delegacia.

O professor lembrou a perda do irmão mais novo para a Covid-19. “Foi morrer justamente o caçula. Ele saiu da ordem por causa que o presidente da República, esse genocida, não comprou vacina em tempo hábil”, disse.

LEIA MAISO que é um genocida? E por que Bolsonaro está sendo chamado assim?

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

O dirigente petista foi enquadrado sob o pretexto da Lei de Segurança Nacional (LSN) ao ser abordado por policiais militares, em Trindade, que ao avistarem a faixa em seu carro, alegaram que a mensagem era caluniosa contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Um dos agentes, que não usava máscara em vídeo gravado no momento da ação, solicitou que o professor retirasse o adesivo, mas ele recusou-se.

Nesta terça-feira, 1°, a Secretaria de Segurança Pública de Goiás anunciou o afastamento do policial militar que prendeu o professor. O órgão classificou o ocorrido como "lamentável" e informou que o policial responderá a um inquérito e procedimento disciplinar.

O governo disse ainda que "não coaduna com qualquer tipo de abuso de autoridade, venha de onde vier" e que "todas as condutas que extrapolem os limites da lei são apuradas com o máximo rigor, independentemente do agente ou da motivação de quem a pratica".

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente