PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Fórum Nacional de Governadores do Brasil envia ofício a Joe Biden pedindo vacinas

O documento solicita, ao menos, 10 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19, das 80 milhões que o presidente dos EUA anunciou que compartilharia com outras nações

10:03 | 26/05/2021
Wellington Dias (à frente) e outros governadores do Nordeste (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Wellington Dias (à frente) e outros governadores do Nordeste (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O governador do Piauí e coordenador da temática “Estratégia para vacina contra Covid-19”, Wellington Dias (PT), assinou um ofício em nome do Fórum Nacional de Governadores com um pedido de ajuda humanitária ao presidente dos EUA, Joe Biden. O documento solicita, ao menos, 10 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19, das 80 milhões que o País anunciou que compartilharia com outras nações.

O apelo reforça a iminência de uma terceira onda da pandemia no Brasil e a ameaça de variantes da doença que contribuem com os altos números de contaminação e mortes. “Essa trágica situação faz com que o Brasil figure, junto com a Índia, na classificação de alto risco, caracterizando-o como potencial deflagrador de uma grave crise social e econômica sem precedentes, com consequências negativas para além das suas fronteiras”, alerta o texto.

Na oportunidade, os gestores reafirmaram que somente a doação dos imunizantes é capaz de reverter a previsão de mais 200 mil mortes entre a população brasileira até setembro deste ano. Atualmente, o País já soma 450 mil óbitos pelo vírus. O alerta leva em conta que, desse total, mais da metade foi registrado apenas na segunda onda, tendo em vista que nos quatro meses de 2021 houve mais mortes que no ano de 2020 inteiro.

O documento desperta também para o fato de que 80% da população ainda não recebeu nenhuma das doses, “o que potencializa sobremaneira os riscos de disseminação da doença”.

O ofício foi registrado nessa segunda-feira, 24, e solicita as vacinas prometidas pelos EUA como forma de antecipação de contratos firmados com a Pfizer, Astrazeneca e Janssen. “Com base nesse entendimento, os Governadores do Brasil, ciosos dos laços históricos de fraternidade que unem nossos povos, clamam pelo acolhimento do pleito que ora formulam ao governo dos Estados Unidos da América”, completa o documento.

O pedido, no entanto, acontece um dia antes de representantes do governo federal afirmarem à Assembleia Mundial de Saúde que o Brasil está "pronto" para fornecer vacinas aos países mais pobres. A delegação brasileira que participava do segundo dia de debates da Organização Mundial de Saúde (OMS) garantiu o fornecimento de "doses de vacinas produzidas localmente", mas sem mencionar quando isso poderia ocorrer e nem como.