PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

PRTB cancela negociação com Bolsonaro e presidente continua sem partido, diz jornal

Para disputar as eleições de 2022, o presidente tenta agora acordo como Partido da Mulher Brasileira (PMB), que alterou o seu nome para Brasil 35, e o Democracia Cristã (DC)

Filipe Pereira
14:27 | 17/05/2021
Presidente jair Bolsonaro participa de Cerimônia de Liberação de Recursos para Atenção Primária à Saúde no Enfrentamento da Covid-19 (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Presidente jair Bolsonaro participa de Cerimônia de Liberação de Recursos para Atenção Primária à Saúde no Enfrentamento da Covid-19 (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O PRTB não manterá acordo para filiação do presidente Jair Bolsonaro. O cancelamento das negociações aconteceu após a presidente nacional da legenda, Aldineia Fidelix, não aceitar entregar o comando do partido para o presidente. A informação é do jornal O Estado de S.Paulo.

O acordo era para Bolsonaro ter carta branca nos diretórios estaduais e decisões na Executiva Nacional. A negociação era conduzida pelos filhos do fundador da legenda e presidenciável por duas vezes, Levy Fidelix, que faleceu no mês passado. Em abril, o presidente recebeu Levy Fidelix Filho, o Levizinho, Lívia Fidelix e Karina Felix para tentar negociar as primeiras tratativas. Também participaram Karina Kufa, advogada eleitoral do presidente, e o ministro do Turismo, Gilson Machado.

Ainda sem partido para disputar as eleições 2022, Bolsonaro mantém a negociação com outros dois partidos. Em abril, o Partido da Mulher Brasileira (PMB) alterou o seu nome para Brasil 35. A mudança foi feita durante convenção nacional do partido, no Rio de Janeiro, após conversas com Bolsonaro. Ele também mantém diálogo com o Democracia Cristã (DC).

Bolsonaro rompeu com o PSL em novembro de 2019, partido que o elegeu um ano antes. Logo depois ele se engajou na criação de seu próprio partido, o Aliança pelo Brasil, porém, a demora na coleta das 492 mil assinaturas necessárias para a obtenção do registro definitivo junto à Justiça Eleitoral fez o presidente procurar alternativas.