PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Vacina Covid: Lewandowski diz que gestores podem ser punidos se atrasarem 2ª dose

A ausência da segunda dose, diz o ministro, pode comprometer a confiança no processo de vacinação daqueles que a aguardam

Carlos Holanda
19:07 | 03/05/2021
Ministro Ricardo Lewandowski durante sessão da 2ª turma do STF. (Foto: Nelson Jr./SCO/STF)
Ministro Ricardo Lewandowski durante sessão da 2ª turma do STF. (Foto: Nelson Jr./SCO/STF)

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, afirmou que governadores e prefeitos podem responder por improbidade administrativa no caso de atrasarem a aplicação da segunda dose da vacina contra a covid-19. 

Fortaleza é uma das capitais que já suspenderam a aplicação da Coronavac. Segundo a Folha de S. Paulo, Aracaju (SE), Belo Horizonte (MG), Campo Grande (MS), Goiânia (GO), Porto Alegre (RS), Porto Velho (RO), Recife (PE) e Rio de Janeiro (RJ) são outras capitais que estão em atraso.

Acesse a cobertura completa do Coronavírus >

A ausência da segunda dose, diz o ministro, pode comprometer a confiança no processo de vacinação daqueles que a aguardam. A improbidade administrativa ficaria configurada no caso de desperdício dos recursos materiais e humanos já empregados na campanha de vacinação.

A orientação do ministro está contida em decisão que derrubou determinação do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) de validar a imunização para professores da rede pública e profissionais de segurança pública.