Participamos do

PGR denuncia governador do Amazonas e outros 17 nomes por organização criminosa durante pandemia

Denúncia apresentada ao STJ às vésperas da CPI da Covid atinge o vice, o chefe da Casa Civil e ex-secretário de Saúde do governador Wilson Lima.
18:39 | Abr. 26, 2021
Autor Filipe Pereira
Foto do autor
Filipe Pereira Repórter de Política
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A Procuradoria-Geral da República (PGR) ofereceu nesta segunda-feira, 26, denúncia ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) contra o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), por supostos crimes cometidos durante enfrentamento da pandemia da covid-19. Além do gestor, o seu vice, Carlos Almeida (PTB), e outros 16 servidores também foram denunciados. O caso acontece às vésperas da CPI da Covid, que abre seus trabalhos nesta terça-feira, 27.

Segundo a subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo, que assina a denúncia, instalou-se na estrutura burocrática do governo do Amazonas, sob o comando de Lima, "uma verdadeira organização criminosa que tinha por propósito a prática de crimes contra a Administração Pública, especialmente a partir do direcionamento de contratações de insumos para enfrentamento da pandemia, sendo certo que, em pelo menos uma aquisição, o intento se concretizou".

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

A denúncia acusa o governador amazonense de exercer o comando dessa organização criminosa voltada à prática de crimes diversos, sobretudo dispensa indevida de licitação, fraude à licitação e peculato. Também aparecem no documento o secretário chefe da Casa Civil do estado, Flávio Antony Filho, o ex-secretário de Saúde Rodrigo Tobias e outras 14 pessoas, entre servidores públicos e empresários, por crimes cometidos na aquisição de respiradores para pacientes de Covid-19.

A PGR também apresentou ao STJ outra denúncia contra Lima e outros três servidores, dentre eles, o ex-secretário de Saúde. Eles são acusados de peculato em proveito de duas empresas específicas e seus sócios, devido ao fretamento indevido de aeronave para o transporte de respiradores.


Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags