Logo O POVO+

Jornalismo, cultura e histórias em um só multistreaming.

Participamos do

Cid apoia posição de Tasso e diz que também vai cobrar instalação de CPI da Covid

O senador cearense, que também já foi governador do Estado (2007-2015), afirmou sua redes sociais que o presidente Jair Bolsonaro "ignora a aflição do nosso povo, desrespeita nosso luto e ofende a todos que estão há meses na luta para salvar vidas"
12:45 | Mar. 01, 2021
Autor O Povo
Foto do autor
O Povo Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

O senador Cid Gomes (PDT) é um dos nomes que defende uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar a conduta do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante a pandemia de Covid-19 no País. A iniciativa ganhou força após pressão do senador Tasso Jereissati (PSDB), que fez duras críticas à visita do presidente ao Ceará, na última sexta-feira, marcada por aglomerações.

Segundo a assessoria de Cid Gomes, ele "apoia totalmente a posição do senador Tasso e também vai cobrar a instalação da CPI". O senador cearense, que também já foi governador do Estado (2007-2015), afirmou sua redes sociais que Bolsonaro "ignora a aflição do nosso povo, desrespeita nosso luto e ofende a todos que estão há meses na luta para salvar vidas". Segundo o pedetista, a situação grave enfrentada por estados e municípios durante a pandemia se deve à "inoperância e incompetência do Governo Federal".

Tasso Jereissati cobra a “imediata instalação” CPI da Covid-19, no Senado, após as cenas de aglomeração e desrespeito às medidas sanitárias vistas na passagem de Jair Bolsonaro pelo Ceará, na última sexta-feira, 26; um dia após o Brasil bater recorde diário de mortes por coronavírus (1.582 óbitos em 24 horas).

Em mensagem em grupo no WhatsApp que reúne os 81 senadores do País, o tucano conclamou a todos a apoiar a medida: "Senadoras e senadores, o presidente Bolsonaro esteve no Ceará, sexta-feira, quando cometeu pelo menos dois crimes contra a saúde pública, ao promover aglomerações sem proteção e ao convocar a população a não ficar em casa, desafiando a orientação do governo do estado e ainda ameaçando o governo de não receber o auxílio emergencial. Desta maneira a instalação da CPI no Senado tornou-se inadiável. Não podemos ficar omissos diante dessas irresponsabilidades". Até o momento, 30 senadores assinaram o pedido de CPI, entre eles o próprio Tasso e Cid Gomes.

Parlamentares de MDB, PT, PSD, Cidadania, Rede, Pros, Podemos e Republicanos apoiaram a mensagem. "Toda razão Tasso, o presidente afronta os governadores que estão na ponta cuidando da saúde, cabe ao Senado contestar essa ação equivocada", escreveu Otto Alencar (PSD-BA), seguido por Confúcio Moura (MDB-RR) "Ainda bem que temos governadores e prefeitos que cumprem seus deveres" e por Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Zenaide Maia (Pros-RN) que disseram "concordar",. dentre outros que expressaram apoio à questão.

No sábado, Tasso havia cobrado publicamente a instauração da CPI e dito que a postura de Bolsonaro foi uma tentativa de "desmoralizar" medidas mais rígidas de combate à pandemia que acabaram de começar no Estado. "Ao conclamar a população para ir à rua, o presidente está mandando as pessoas à morte. Bolsonaro veio ao Ceará para tentar desmoralizar as medidas de restrição. Isso é criminoso", afirmou o cearense.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags

Os cookies nos ajudam a administrar este site. Ao usar nosso site, você concorda com nosso uso de cookies. Política de privacidade

Aceitar