PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Presidente argentino convoca irmandade latino-americana no combate à Covid-19

Alberto Fernández disse que união seria uma "oportunidade" para que a experiência que a pandemia deixou na América Latina permita entender "a importância do desenvolvimento em unidade entre argentinos, chilenos e também latino-americanos"

18:48 | 26/01/2021
Presidente da Argentina, Alberto Fernández, usando máscara em foto na residência oficial da presidência, localizada em Olivos (Foto: Esteban Collazo/AFP)
Presidente da Argentina, Alberto Fernández, usando máscara em foto na residência oficial da presidência, localizada em Olivos (Foto: Esteban Collazo/AFP)

O presidente argentino, Alberto Fernández, fez um chamado nesta terça-feira (26) à irmandade latino-americana para superar com união a crise da Covid-19, no início de uma visita de dois dias ao Chile, sua primeira viagem oficial desde que assumiu a Presidência há mais de um ano.

"Toda a América Latina tem que estar irmanada neste tempo que nos coube viver. Porque a pandemia nos submeteu a que cada um enfrente o desconhecido e às vezes penso que se estivéssemos estado mais juntos, mais unidos, certamente poderíamos ter enfrentado melhor as coisas", disse Fernández à imprensa ao lado do presidente chileno, Sebastián Piñera.

LEIA MAIS | Presidente da Argentina recebe 1ª dose da vacina Sputnik V

O presidente argentino acrescentou que esta é uma "oportunidade" para que a experiência que a pandemia deixou na América Latina - onde a doença causou mais de 570.000 mortes e mais de 18 milhões de contágios - permita entender "a importância do desenvolvimento em unidade entre argentinos, chilenos e também latino-americanos".

Piñera, por sua vez, afirmou que a Covid-19 deixou "importantes lições e aprendizados" no Chile e na Argentina, e destacou que nos dois países analisaram-se as melhores formas de enfrentar os problemas e também as oportunidades no futuro.

Durante o encontro, foram assinados uma declaração conjunta e acordos sobre cooperação sanitária, o aperfeiçoamento de passagens fronteiriças e a validação das carteiras de motorista nos dois países.

LEIA MAIS | Argentina detecta primeiro caso de cepa britânica do coronavírus

A visita de Fernández é merada por uma série de impasses registrados durante 2020, entre eles quando o presidente realizou comparações na gestão da pandemia, nas quais criticou a forma como Piñera enfrentava a crise sanitária.

A isto se soma uma videoconferência com políticos chilenos da oposição na qual Fernández determinou "voltar a se unir, superar as diferenças para poder recuperar o poder a favor dos chilenos".

"Às vezes a mídia se esmera em quais são as diferenças entre dois homens que conduzem países e na verdade nunca olham para quais são as coincidências", disse Fernández em seu discurso.

LEIA MAIS | Terremoto de 6,8 graus abala áreas da Argentina; reflexos são sentidos no Brasil

Piñera recebeu Fernández após sair de uma quarentena de 14 dias após ter tido contato com uma pessoa contaminada com a Covid-19, o que retardou esta visita em uma semana. O presidente argentino, por sua vez, se imunizou com a vacina russa Sputnik V antes de viajar.

A visita do presidente argentino - que se estende até a quarta-feira - inclui uma visita ao gabinete no La Moneda do ex-presidente socialista Salvador Allende, além de reuniões com representantes do Congresso chileno, empresários e uma apresentação na sede da Cepal.