PUBLICIDADE
Política
Noticia

Maia defende votação presencial na eleição para a presidência da Câmara

O pleito deve acontecer no início de fevereiro e até agora tem sete candidatos. Maia também afirmou que, se os candidatos quiserem, o voto para a eleição pode ser aberto

Gabriela Feitosa
14:17 | 15/01/2021
A Mesa deve se reunir novamente no dia 18 de janeiro para decidir as regras eleitorais, incluindo a data da votação. (Foto: Aurelio Alves/O POVO). (Foto: Aurelio Alves)
A Mesa deve se reunir novamente no dia 18 de janeiro para decidir as regras eleitorais, incluindo a data da votação. (Foto: Aurelio Alves/O POVO). (Foto: Aurelio Alves)

O atual presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defende que a eleição da nova Mesa Diretora da Câmara seja presencial. O pleito será no início de fevereiro e até agora tem sete candidatos (saiba mais abaixo). No entanto, Maia admitiu que pode ser adotado um sistema híbrido de votação para atender os parlamentares que se encontram no grupo de risco. Eles votariam remotamente.

Em entrevista concedida após reunião da Mesa, ele também defendeu que a votação ocorra no dia 2 de fevereiro, no dia seguinte à formação dos blocos parlamentares. As informações são da Agência da Câmara dos Deputados.

Maia explicou que a Mesa vai se reunir novamente no dia 18 de janeiro para decidir as regras eleitorais, incluindo a data da votação. Ele indicou o 2º secretário, deputado Mário Heringer (PDT-MG), para relatar essas propostas.

LEIA TAMBÉM | Arthur Lira questiona possibilidade de votação virtual para Presidência da Câmara

Detalhes da votação

Segundo o presidente, na eleição da Câmara, as urnas serão espalhadas pelo salão verde, pelo salão nobre e pelo Plenário. "Ninguém vai ficar contra a votação presencial. Defendemos e queremos que os deputados estejam em Brasília, mas acho que devemos consultar médicos e especialistas. Parece que nessa segunda onda há uma letalidade maior", disse o presidente.

Candidatos

Até agora são sete candidatos para disputar o comando da Câmara: Arthur Lira (PP-AL), Baleia Rossi (MDB-SP), Capitão Augusto (PL-SP), Fábio Ramalho (MDB-MG), Alexandre Frota (PSDB-SP), André Janones (Avante-MG) e Marcel Van Hattem (Novo-RS), que oficializaram suas candidaturas na quinta-feira, 14.

Na votação também serão escolhidos os demais ocupantes da Mesa Diretora: dois vice-presidentes, quatro secretários e os respectivos suplentes.

Novas candidaturas podem ser apresentadas até a reta final.

Voto aberto

Maia também afirmou que, se os candidatos quiserem, o voto para a eleição da presidência da Câmara pode ser aberto. Segundo ele, o voto deve ser fechado, seguindo o regimento, mas, como muitos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro defendem o voto impresso e a transparência no processo eleitoral, a transparência total seria a votação aberta.

Deputados do PSL

Rodrigo Maia também indicou Heringer para relatar o pedido do deputado Vitor Hugo (PSL-GO), que contesta a decisão da cúpula do PSL de suspender os 32 deputados que assinaram apoio ao deputado Arthur Lira (PP-AL) à presidência da Casa. O partido apoia Baleia Rossi (MDB-SP). Maia explicou que inadmitiu o parecer do procurador da Câmara, deputado Luis Tibé (Avante-MG), favorável aos dissidentes do partido. Segundo Maia, o procurador não tem atribuição para elaborar parecer que não tenha sido pedido pela presidência.

O presidente afirmou que, mesmo tendo inadmitido o parecer do procurador, a Mesa vai analisar o pedido de Vitor Hugo. Para Maia, o assunto permite a abertura de uma discussão sobre a democratização das cúpulas partidárias. Ele afirmou que a Lei dos Partidos Políticos transfere muito poder às direções partidárias, e a situação do PSL é uma oportunidade para discutir uma reforma política. "Para que possa trazer um aumento de participação mais rápida das mulheres e dos negros e que, de fato, a gente possa construir uma lei que democratize as instâncias partidárias", ponderou.

LEIA TAMBÉM | Rodrigo Maia e Baleia Rossi no Palácio da Abolição para encontro com Camilo e deputados cearenses