PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Empresas defendem regras internas de sanção

16:11 | 27/12/2020

O Facebook informou que removeu os conteúdos que violavam as regras da plataforma, assim como as postagens que foram alvo de ordem judicial. Outras postagens, ainda que não violassem as políticas internas, receberam a marcação de conteúdo falso após verificação de parceiros independentes de checagem de fatos, afirmou um porta-voz da empresa. Expressão individual, opiniões e debates, no entanto, não são passíveis de verificação, afirmou.

As regras de uso do Facebook não preveem a remoção de posts com desinformação, e sim de publicações que possam interferir no processo eleitoral - como informar o número errado de um candidato. A plataforma disse ter removido no período das eleições 140 mil conteúdos que violavam essa política.

De forma semelhante, o Twitter disse que colocou avisos ou removeu publicações que violavam suas políticas de integridade cívica, "com informações falsas ou enganosas que tenham como intuito prejudicar a confiança do público em uma eleição ou outro processo cívico". Os tuítes marcados têm visibilidade reduzida, segundo a política da plataforma.

O YouTube também afirma que só remove conteúdo que viola suas Políticas de Comunidade - isso inclui vídeos que contenham discurso de ódio ou que incitem pessoas a tomar atitudes perigosas. "É importante destacar que, quando não há violação às diretrizes de uso do YouTube, a decisão final sobre a necessidade de remoção do conteúdo cabe ao Poder Judiciário, de acordo com o que estabelece o Marco Civil da Internet", diz a empresa em nota.

A plataforma diz adotar outras ações contra desinformação, como o "destaque a fontes confiáveis de notícias e informações nos resultados de busca e em nossa página inicial" e a "redução da recomendação de conteúdo que pode desinformar". O YouTube disse que a campanha "Fato ou Boato", do TSE, teve 400 milhões de impressões.

Futuro. Pesquisador da Universidade de Oxford, no Reino Unido, Caio Machado disse ver uma melhora em relação à atuação das redes sociais contra a desinformação - apesar de cobrar mais transparência. Ele indica que, no futuro, mais que deletar conteúdos desinformativos específicos, as plataformas devem inibir comportamentos em rede. "Nesse sentido, as plataformas teriam uma atuação importante ao encontrar e proibir certos tipos de comportamento", afirmou.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.