PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

"Não é hora de dividir, é hora de pacificar", afirma Sarto

Candidato votou por volta das 10 horas na Apae. Antes de depositar seu voto, José Sarto deu entrevista coletiva e afirmou que próximo prefeito terá muitos desafios a enfrentar

Marcela Tosi
16:17 | 15/11/2020
José Sarto Nogueira chegou à Apae por volta das 10h15. Estava acompanhado do prefeito Roberto Cláudio e de seu vice de chapa, Élcio Batista. Além de sua esposa e filhas (Foto: Barbara Moira/O POVO)
José Sarto Nogueira chegou à Apae por volta das 10h15. Estava acompanhado do prefeito Roberto Cláudio e de seu vice de chapa, Élcio Batista. Além de sua esposa e filhas (Foto: Barbara Moira/O POVO)

Por volta das 10 horas deste domingo, 15, o candidato Sarto Nogueira (PDT) compareceu à seção eleitoral na Apae, no bairro Luciano Cavalcante, acompanhado do candidato à vice-prefeitura Élcio Batista e do atual prefeito Roberto Cláudio. Sarto também estava acompanhado de sua família e concedeu entrevista coletiva antes de depositar seu voto. Na ocasião, o candidato defendeu que "não é hora de dividir, é hora de pacificar".

"Fizemos uma campanha de paz e alegria, sem ataques pessoais", afirma Sarto, que lidera as intenções de votos da última pesquisa Ibope, com 32% entre o eleitorado da Capital. "Nossa expectativa é que o fortalezense reflita sobre esse momento difícil que vivemos. Acho que não é hora de dividir; é hora de construir uma Fortaleza pacificada para todos."

LEIA MAIS | Sarto lidera entre jovens e empata com Wagner em todos os outros segmentos

O candidato afirmou ainda que o próximo prefeito de Fortaleza terá muitos desafios a enfrentar. "A vacina contra a Covid-19, recuperação econômica, a pandemia que estamos ainda vivendo e a reposição do calendário escolar", enumerou. "Não é hora de dar um passo para trás, nem de dar um salto no escuro. Eu não vou me render ao apelo dramático de quem está desesperado e quer me trazer para a mesma lama."

Roberto Cláudio também discursou na ocasião, afirmando que "Sarto é garantia de continuidade das políticas e programas que são bem avaliados e inecessário à nossa gente. Estamos com muito otimismo e fé no nosso povo, mas vamos com humildade esperar as urnas abrirem para falar sobre isso", se posicionou sobre as projeções para um segundo turno.