PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Justiça determina que presidente da Câmara de Uruburetama assuma Prefeitura em até 48 horas

Na última semana, a vereadora Stela Rocha, havia denunciado que o prefeito estaria impossibilitado de exercer suas funções e que, mesmo assim, decretos seguiam sendo liberados com a assinatura do gestor

15:36 | 03/07/2020
Então vice-prefeito, Artur Nery tomou posse como prefeito em 2019 após a Câmara cassar o então gestor José Hilson de Paiva (Foto: Nut Pereira/O POVO)
Então vice-prefeito, Artur Nery tomou posse como prefeito em 2019 após a Câmara cassar o então gestor José Hilson de Paiva (Foto: Nut Pereira/O POVO)

O Poder Judiciário do Estado do Ceára concedeu liminar estabelecendo prazo de 48 horas para que a presidente da Câmara Municipal de Uruburetama, Stela Rocha, tome posse como prefeita do município. Decisão ocorre após a parlamentar denunciar ausência do atual gestor, Artur Nery, que está internado há mais de 50 dias em decorrência da Covid-19.

Na última semana, a vereadora havia denunciado que o prefeito estaria impossibilitado de exercer suas funções e que, mesmo assim, decretos seguiam sendo liberados com a assinatura do gestor. Ela ajuizou medida cautelar contra o prefeito pedindo autorização para assumir a gestão.

Além disso, a parlamentar alega que o Executivo não notificou o afastamento, o que é obrigatório, e que o município está sem comando durante período crítico da pandemia de coronavírus. Na última quarta-feira, o Ministério Público deu prazo de dez dias para esclarecimentos sobre o caso. O procurador responsável pela comarca também pediu investigação por parte da Polícia Civil.

Em resposta a ofício enviado por Stela, o diretor técnico do Hospital Regional da Unimed, Marcio Alcântara Costa, escreveu: "Identificamos que o Sr. Artur Wagner Vasconcelos Nery, fora atendido neste hospital no dia 10/05/2020 e permanece internado até a presente data (30/06/2020)".

Nery foi eleito como vice-prefeito em 2016, mas foi empossado como prefeito no ano passado após a Câmara cassar o então gestor José Hilson de Paiva, envolvido em denúncias de escândalo sexual. Como o município não tem vice-prefeito a responsabilidade da gestão fica a cargo da presidente da Câmara.