PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Ex-procurador da Lava Jato defende que Moro deixe Ministério da Justiça

Ex-juiz estaria em atrito com o presidente Jair Bolsonaro após suposta demissão de diretor-geral da Polícia Federal

19:52 | 23/04/2020

O ex-decano da força-tarefa da Operação Lava Jato, em Curitiba (PR), Carlos Fernando dos Santos Lima saiu em defesa do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, e atacou o presidente da República Jair Bolsonaro em post no Facebook nesta quinta-feira, 23. A publicação é resposta à notícia sobre a possível interferência do chefe do Executivo federal na troca no comando da Polícia Federal.

"Moro deve sair. Bolsonaro não é correto, não tem palavra, deixou o ministro sem qualquer apoio no Congresso tanto nas medidas contra a corrupção quanto durante o episódio criminoso da Intercept, e nunca foi um real apoiador do combate à corrupção", escreveu Carlos Lima., defendeu o ex-procurador.

O ministro e ex-juiz da Lava Jato, em Curitiba avisou que deixará o governo caso o presidente imponha um novo nome para comandar a PF, atualmente ocupada por Maurício Valeixo. O Estadão/Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) apurou que o ministro não aceita que essa troca venha de "cima para baixo", e defende o direito de fazer a escolha.

A saída de Valeixo do cargo de diretor-geral da corporação já estava sendo tratada por Moro, que tentava encontrar um nome de sua confiança para o cargo. Bolsonaro, no entanto, avisou que nomearia um substituto. É a segunda vez que o presidente ameaça trocar a cúpula do órgão.

Desde o ano passado, Carlos Lima acusa as tentativas de Bolsonaro de tentar "subordinar" a PF e o Ministério Público Federal para salvar "os seus". Flávio Bolsonaro é investigado no Caso Queiroz, suposto esquema de corrupção por meio de "rachadinhas" envolvendo o ex-homem de confiança da família do presidente da República. Aposentado desde 2019, o ex-procurador virou consultor de compliance e especialista em combate à corrupção.