PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

"Precisamos ter uma previsão de data", cobra Domingos Neto sobre retomada do setor produtivo

Em videoconferência com O POVO, o relator-geral do Orçamento da União para 2020, deputado Domingos Neto (PSD-CE), destacou a necessidade de estabelecer perspectivas e políticas de retomada das atividades comerciais

Filipe Pereira
16:49 | 23/04/2020
O deputado cearense Domingos Neto é relator-geral do Orçamento da União em 2020
O deputado cearense Domingos Neto é relator-geral do Orçamento da União em 2020 (Foto: Agência Câmara)

Coordenador da bancada cearense na Câmara e relator-geral do Orçamento Geral da União para 2020, o deputado federal Domingos Neto (PSD) avaliou positivamente a comissão criada pelo Estado com representantes do Executivo e de entidades da sociedade civil para discutir o plano de retomada das atividades econômicas no Ceará. Na entrevista, o parlamentar ainda criticou a relação conflituosa entre o Ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo e a China, maior parceiro comercial do Brasil.

Por meio de videoconferência com O POVO na tarde desta quinta-feira, 23, o parlamentar defendeu a elaboração de um cronograma de retorno e um “entrelaço” da saúde com o setor produtivo. “O ruim é não saber quando voltar. O empresário quer saber qual a data e como vai ser. Já é muito tempo parado, esse diálogo da saúde com o setor produtivo para poder preparar essa volta é positivo” afirma.

Na última segunda-feira, 20, Domingos participou de reunião entre o governador do Estado Camilo Santana (PT) e a bancada cearense para discutir ações de combate ao coronavírus no Ceará. Nela, o chefe do Executivo debateu ações na área social, na saúde e na economia. Segundo Domingos, há estudos que revelam a possibilidade de um retorno ordenado e setorial das atividades.

“Segunda fizemos uma reunião com a bancada federal e o Cabeto (secretário da Saúde do Estado) apresentou os gráficos, onde o pico será em 31 de maio. Não é razoável que o bloqueio seja geral quando a questão é que regiões sofrem mais que outras. A questão setorial vai ser esclarecido na conversa com as propostas de cada setor” defendeu o líder. Segundo ele, os campos econômicos precisam de protocolos que definam quando e com quais instrumentos de segurança devem retornar.

No último domingo, 19, o setor produtivo cearense, representado por empresários de atividades como varejo, indústria e agropecuária, divulgou um manifesto criticando o fato de o Governo Estadual ainda não ter apresentado um plano para a retomada gradual da atividade econômica no Estado.

De acordo com o Camilo, a comissão criada subsidiará todas as decisões "para que, com muita responsabilidade, protegendo toda a população, a gente possa construir um plano de retomada e de saída" da crise causada pelo novo coronavírus, que já matou 266 pessoas e contaminou outras 4.599 no Ceará.

Críticas a Ernesto Araújo

Outro tópico da entrevista foi a atuação do ministro da Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que nos últimos dias acusou a China de realizar um “plano comunista” que tirava proveito da pandemia de Covid-19 para implementar "sua ideologia" por meio de organismos internacionais, como a Organização Mundial da Saúde (OMS).

“O ministro jogar para esse radicalismo é irracional. Eu estive com a ministra da Agricultura para prestar solidariedade porque ela estava sendo atacada por esses radicais. Nós vendemos mais de 9 bilhões de dólares para a China. Se eles querem brigar, vão vender pra onde essa soja? Não é racional, eu tô vendendo e vou brigar com meu cliente? Não podemos misturar essa disputa ideológica” afirmou o parlamentar.

 

Acesse a cobertura completa do Coronavírus >