PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

"Temos que abrir mão das diferenças partidárias, não é hora para isso", pede Camilo Santana em entrevista sobre o Covid-19

Reunião entre governadores do Norte e Nordeste com o presidente Jair Bolsonaro deve ocorrer a partir das 15 horas; encontro ocorre por videoconferência

11:39 | 23/03/2020
O governador Camilo Santana dará entrevista à rádio O POVO/CBN
O governador Camilo Santana dará entrevista à rádio O POVO/CBN (Foto: REPRODUÇÃO)

O governador Camilo Santana (PT), pediu união e maior consonância das ações entre estados e Governo Federal durante a crise do novo coronavírus, que já infectou mais de 1,5 mil pessoas em todo o País. Em entrevista ao programa O POVO no Rádio, da Rádio O POVO CBN, na manhã desta segunda-feira, 23, Camilo falou sobre medidas de prevenção que vêm sendo tomadas no Estado e pediu maior abertura ao diálogo por parte do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“O que estamos fazendo (os governadores) não é aleatório, estamos seguindo orientações de profissionais da saúde, infectologistas, estudiosos de pandemias e olhando para as experiências do mundo todo (...) Temos que abrir mão das diferenças partidárias, não é hora para isso”, disse Camilo. O chefe do Executivo estadual citou os exemplos de Itália e Estados Unidos, que registram dezenas de milhares de casos e sofrem com curvas de infecção e mortes ascendentes. “O que estamos fazendo aqui é prevenir e antecipar. Isso é uma guerra e numa guerra tem que ter estratégia”, concluiu o governador.

Camilo criticou o que classificou como “divergência” nas falas de representantes do próprio governo. “Há uma divergência entre o que fala o presidente e o ministro da Saúde”, disse, referindo-se ao fato de que Bolsonaro ameniza a crise e alega que governadores e imprensa estão superestimando o vírus, enquanto seu ministro, Luiz Henrique Mandetta, fala em momento difícil que está apenas começando e colapso do sistema de saúde.

Santana avalia que o número de casos no Ceará (125), um dos mais elevados do Brasil, se dá por dois fatores. Primeiro porque, segundo afirmou, O estado é “um dos quatro destinos com maior fluxo de passageiros internacionais no Brasil”. Os primeiros casos registrados vieram de pacientes que estiveram no exterior. Segundo, porque o número de testes feitos no Ceará é elevado. “Estamos fazendo muitos exames, fazemos em média 120 testes por dia, então há uma tendência de diagnosticarmos mais casos”, disse.

Camilo destacou que hoje, às 15 horas, estará em uma reunião com governadores do Norte e Nordeste que também contará com a participação do presidente Bolsonaro. “Teremos oportunidade de alinhar ações importantes, tanto na área da Saúde como na Economia”. O encontro ocorre por videoconferência.