PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

"O índio está cada vez mais um ser humano igual a nós", afirma Bolsonaro

Durante a sua transmissão ao vivo, o presidente também comentou sobre o número de casos de violência contra jornalistas no Brasil

21:29 | 23/01/2020
"O índio está cada vez mais um ser humano igual a nós", afirma Bolsonaro em sua live semanal
"O índio está cada vez mais um ser humano igual a nós", afirma Bolsonaro em sua live semanal (Foto: MADOKA IKEGAMI / POOL / AFP)

Na live desta semana, o presidente Jair Bolsonaro conversou com o ministro de Infraestrutura, Tarcísio de Freitas. Durante o bate-papo, Bolsonaro comentou sobre a criação do Conselho da Amazônia, a Força Nacional Ambiental e o papel dos povos indígenas na sociedade. Outro tema de destaque da live foi a violência contra jornalistas no país.

Bolsonaro estava comentando sobre a criação do Conselho da Amazônia, afirmando que este é um um passo importante nos cuidados com o meio ambiente quando questionou Tarcísio sobre ter atuado como militar em Manaus (AM) entre 2002 e 2007. O presidente disse que o ministro conheceu índios e que sabia que estes estavam “evoluindo muito”. O presidente afirmou que: “O índio mudou, está cada vez mais um ser humano igual a nós”, em tons de críticas ao comportamento dos povos indígenas.

Bolsonaro ainda tocou na questão da propriedade das terras indígenas como uma das frentes de trabalho do novo conselho e declarou que espera que, com as ações de seu governo, o índio “se integre cada vez mais e seja dono de sua terra indígena”, completou. O conselho ficará sob responsabilidade do vice-presidente Hamilton Mourão e em conjunto com a recém-criada Força Nacional Ambiental, deve coordenar ações nos ministérios com foco na proteção, defesa e desenvolvimento sustentável da Amazônia. O presidente anunciou a criação dos novos núcleos nessa terça-feira, 21, após o governo brasileiro e o próprio Bolsonaro serem alvos de críticas, inclusive internacionais, pela atuação na área ambiental.

Antes de comentar sobre essa questão, o presidente fez declarações sobre o relatório de violência contra jornalistas e liberdade de imprensa no Brasil, publicado pela Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj). O relatório identifica um número recorde de agressões direcionadas a jornalistas no exercício da profissão em 2019, a maioria, de autoria do próprio presidente. Bolsonaro afirmou que os jornalistas estão exagerando diante das acusações e que precisam aceitar que ele não vai mudar seu comportamento pois, ao ver dele, tem sido completamente educado. Recentemente, o presidente chegou a declarar que não dará mais entrevistas por conta das acusações da Fenaj.

“Não tem soco, não tem tapa, nem teve nenhum palavrão até hoje. Respondo de forma exaltada porque somos seres humanos. Aí a federação não gosta, acha que eu tenho que ser subserviente, servil”, declarou o presidente ao comentar ao comentar o fato de que o relatório da Fenaj apontou que ele foi responsável por 58% das agressões registradas ano passado. Outros temas comentados durante a live foram sobre as praças de pedágio em São Paulo, a posse da atriz Regina Duarte como titular da Secretaria da Cultura e a placa de veículos dentro do padrão Mercosul.