PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Governo Bolsonaro decide tirar o Brasil da Celac

Em abril de 2019, Bolsonaro já tinha oficializado a saída de outo bloco latinoamericano, o Unasul

10:11 | 17/01/2020
De acordo com o chanceler Ernesto Araújo, a Celac estaria "dando palco para regimes não-democráticos".
De acordo com o chanceler Ernesto Araújo, a Celac estaria "dando palco para regimes não-democráticos". (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

O governo de Jair Bolsonaro anunciou nesta quinta-feira a saída do Brasil da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) por considerar que "dá palco para regimes não-democráticos".

"O Brasil decidiu suspender sua participação na Celac. A Celac não vinha tendo resultados na defesa da democracia ou em qualquer área. Ao contrário, dava palco para regimes não-democráticos como os da Venezuela, Cuba, Nicarágua", declarou o chanceler Ernesto Araújo.

"O Brasil reforça sua determinação de trabalhar com todas as democracias da região - seja bilateralmente, seja na OEA, no Prosul ou no Mercosul - por uma agenda de liberdade, prosperidade, segurança e integração aberta".

A Celac, que reúne 33 países, foi criada em 2010, nos anos da esquerda na América Latina, com o objetivo de promover o diálogo na região. Mas a atuação do bloco foi praticamente paralisada nos últimos anos diante da chegada de governos conservadores ao poder na região.

Bolsonaro é um duro crítico dos governos de esquerda de Luiz Inácio Lula da Silva, promotor da Celac, e Dilma Rousseff (2011-2016). Em abril de 2019, Bolsonaro oficializou a saída do Brasil da Unasul, outro bloco promovido por Lula e criado em 2008. Em seu lugar, passou a integrar o Prosul, criado em março passado, no Chile.