PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Acompanhe ao vivo: Bolsonaro abre Assembleia Geral da ONU em Nova York nesta terça-feira

Pelas redes sociais, o presidente disse que no discurso será "a oportunidade de apresentar ao mundo o Brasil que estamos construindo"

10:21 | 24/09/2019
Essa é a primeira vez que Bolsonaro participa do evento, que reúne, anualmente, a maioria dos chefes de Estado de todo o mundo.
Essa é a primeira vez que Bolsonaro participa do evento, que reúne, anualmente, a maioria dos chefes de Estado de todo o mundo. (Foto: EVARISTO SA / AFP)

O presidente Jair Bolsonaro discursa na manhã desta terça-feira, 24, na abertura da 74ª Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York, nos Estados Unidos. Tradicionalmente, cabe ao representante brasileiro abrir o evento, seguido do líder norte-americano.

A reunião é aberta pelo Secretário-Geral das Organização das Nações Unidas, o português António Guterres, seguido pelo Presidente da Assembleia Geral das Nações Unidas, o nigeriano Tijjani Muhammad-Bande. O discurso de Bolsonaro estava agendado para as 10 horas, horário de Brasília. Donald Trump, presidente do país anfitrião da assembleia, deve discursar em seguida. 

Acompanhe a transmissão da solenidade:

Pelas redes sociais, o presidente disse que no discurso será “a oportunidade de apresentar ao mundo o Brasil que estamos construindo”.

Tradição brasileira na abertura

Esta é a 62ª vez que o Brasil é o primeiro país a discursar na Assembleia Geral da ONU. A Organização foi fundada por 50 países em 1945. Nos anos seguintes, em meio à Guerra Fria, os países não assumiam o compromisso fazer o discursos de abertura e o Brasil se voluntariava ao posto de primeiro orador. É deste início que pode ter surgido o costume que se segue há seis décadas.

> Bolsonaro diz que vai apresentar ao mundo Brasil em construção

> Discussão na ONU sobre Amazônia exclui Brasil

Outra possível origem seria o respeito à autuação de Oswaldo Aranha na reunião de 1947, que determinou a criação de Israel. O brasileiro presidiu aquele encontro.Uma terceira versão trata o costume como forma de consolar o País por não ter sido admitido no Conselho de Segurança da Organização.

O certo é que não se trata de uma regra escrita. A página oficial da ONU sobre o protocolo da Assembleia Geral diz apenas que “certas tradições emergiram ao longo do tempo".

Essa é a primeira vez que Bolsonaro participa do evento, que reúne, anualmente, a maioria dos chefes de Estado de todo o mundo. Serão 20 minutos de discurso e o presidente já indicou que o foco será a defesa das ações do governo na Amazônia após a repercussão negativa dos incêndios que acorrem na região desde junho.