PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

"Nenhuma irregularidade", diz Sâmia Bonfim sobre movimentações financeiras de David Miranda

"Isso por si só não significa nenhuma irregularidade, significa que pode ser encaminhado ao Ministério Público para que se apure", afirmou a deputada

22:29 | 13/09/2019
(Foto: Reprodução/Facebook)

A deputada federal Sâmia Bonfim (PSOL-SP) participou nesta sexta-feira, 13, do Debates do Povo, na rádio O POVO CBN. Na ocasião, ela discutiu com Rodrigo Marinho (NOVO) sobre as políticas ambientais do Governo Federal, movimentações financeiras de David Miranda (PSOL) e também financiamentos públicos de campanha.

Sâmia classificou o governo Bolsonaro como "despudorado" e ressaltou a perseguição política aos jornalistas brasileiros, afirmando que a investigação sobre David se trata de uma retaliação e que o relatório de movimentações financeiras não significa que haja irregularidades. “Isso por si só não significa nenhuma irregularidade, significa que pode ser encaminhado ao Ministério Público para que se apure”. Sâmia ainda elogiou a postura do deputado federal, afirmando que “não teve medo de dar a cara a tapa e esclarecer ao seu eleitorado e à população brasileira”.

Na ocasião ela falou sobre o desmatamento da Amazônia e esvaziamento de políticas ambientais, endossando que existem setores ruralistas que estão incomodados com o impacto na exportação de commodities. "Não se trata somente de uma ameaça a todas as formas de vida no país, mas de um aumento de 278% do desmatamento da Amazônia, de acordo com o método de monitoramento da INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) [...] Alguns importadores disseram que vão boicotar exportação de couro do Brasil.”

A deputada ainda definiu a situação como um ferimento do Pacto de Paris, acordo mínimo entre diferentes nações com relação à regulamentação ambiental, e afirmou que o ministro Ricardo Sales não está se comprometendo a aderir nenhuma das políticas do acordo. “Soube inclusive que estava em viagem aos Estados Unidos para se reunir com um grupo que nega o aquecimento global”, afirmou.

Durante o debate Sâmia declarou que o Partido Novo cobra R$ 4 mil para lançar candidatura, o que vê como excludente e fora da realidade do povo brasileiro. ”Qual cidadão brasileiro que tem condições de pagar R$ 4 mil para ter o direito de lançar sua própria candidatura? As candidaturas não precisam ser compradas por quem tem dinheiro ou condições financeiras. As candidaturas são o direito de toda a população brasileira”.

 

Em entrevista ao O POVO Online, a deputada agradeceu pela oportunidade e analisou a situação do país. "Existe uma política de desmonte dos direitos sociais, de privatização dos patrimônios públicos, com um método autoritário de governo que interfere inclusive na escolha de reitores das comunidades universitárias, a exemplo do que acontece aqui na Universidade Federal do Ceará, mas também na PGR [Procuradoria-Geral da República], na Polícia Federal, com apologia à ditadura, à tortura. Isso é inadmissível, em especial por um país que já passou por fases como a ditadura militar.

Quanto à atuação do PSOL no Ceará, citou o deputado Renato Roseno como referência. “Conheço muito bem o trabalho do nosso deputado Renato Roseno, que é excelente, é uma grande inspiração. Me tornei vereadora e ele já era parlamentar, então eu acompanho a distância o seu trabalho”. Ela ainda afirmou que acredita no crescimento do PSOL em muitos estados brasileiros e também nas eleições de 2020. “Isso é muito importante para o crescimento, para a consolidação de uma alternativa de esquerda no Brasil".

KIM KATAGUIRI

A deputada ficou bastante conhecida após debate com Kim Kataguiri (DEM), líder do Movimento Brasil Livre (MBL), promovido pelo canal Quebrando o Tabu. Internautas fizeram memes em que os dois aparecem em um encontro. Sâmia Chegou a comentar nas redes sociais sobre o assunto. “A galera é bastante criativa, mas ele não faz o meu tipo e eu não faço o tipo dele”, escreveu.

Assista ao Debates do Povo: