PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Índio da Costa é padrinho da cúpula dos Correios, diz Procuradoria

23:24 | 09/09/2019
O Ministério Público Federal em Santa Catarina afirmou, nesta sexta-feira, 6, que o ex-deputado Índio da Costa era o padrinho político da cúpula dos Correios, alvo da Operação Postal Off que mira fraudes e prejuízos de R$ 13 milhões. Preso nesta sexta, 6, ele já foi candidato ao governo fluminense e à prefeitura da Rio e concorreu à vice-presidência de José Serra em 2010.
A Justiça determinou o bloqueio de R$ 40 milhões das contas e bens dos investigados, incluídos carros de luxo e duas embarcações - uma delas um iate avaliado em R$ 3 milhões.
Segundo o Ministério Público Federal, a 'operação iniciada a partir de informação do serviço de inteligência da ECT, dirigida à Superintendência da Polícia Federal de Santa Catarina, no sentido de que dirigente da ECT em Santa Catarina havia sido procurado por representantes de empresas ligadas à organização criminosa atuante no estado do Rio de Janeiro, titulares de contratos com os Correios, os quais lhe propuseram o pagamento de propina a fim de que aderisse ao esquema criminoso consistente na inserção de grandes volumes de cartas comerciais no fluxo dos Correios sem o devido faturamento, gerando evasão de receita e prejuízos aos cofres da ECT'.
"A partir de então, foram deferidas várias medidas cautelares que revelaram a participação de político na indicação para a nomeação no cargo de superintendente de modo a viabilizar a atividade criminosa mediante o pagamento de altas quantias", afirma a Procuradoria.
"Revelaram também a participação de empresários do Rio de Janeiro e de funcionários da ECT ocupantes de postos operacionais no esquema criminoso, o qual migrou suas atividades para Belo Horizonte/MG diante do insucesso na cooptação de funcionários da ECT/SC e da atuação do serviço de inteligência dos Correios no CTC Cidade Nova/RJ, local onde centralizadas as operações da quadrilha", diz o MPF.
Em coletiva, o delegado Christian Luz Barth, da Polícia Federal em Santa Catarina, também apontou que entre os investigados estavam empresários, funcionários do alto-escalão dos Correios 'e um elemento político'.
Barth explicou o esquema. "As grandes empresas que necessitam desse serviço de postagem - entrega de faturas, documentos em geral - têm um volume muito grande de correspondências. Elas precisam de empresas que façam a produção, a preparação de postagem e entrega no Correio, para que entre no fluxo postal", disse. "Eles tinham várias formas de burlar, às vezes com a ajuda de funcionários dos Correios, e colocavam no fluxo postal sem pagamento."