PUBLICIDADE
Política
NOTÍCIA

Rejeição supera numericamente aprovação de Governo Bolsonaro, mostra pesquisa

Pela margem de erro da pesquisa, as avaliações positivas e negativas estão em empate técnico

10:39 | 24/05/2019
Avaliação foi feita pela XP Investimentos
Avaliação foi feita pela XP Investimentos(Foto: Mauro Pimentel / AFP)

Os índices de rejeição e aprovação do Governo Bolsonaro atingiram um empate técnico pela primeira vez em uma série de seis pesquisas realizadas pela XP/Ipespe. Feita nos últimos dias 20 e 21, a pesquisa teve um salto de cinco pontos percentuais na avaliação “ruim ou péssimo” em relação à primeira semana de maio, atingindo a marca de 36%. Já as avaliações positivas registraram queda de um ponto percentual, chegando a 34%.

Avaliação do governo Jair Bolsonaro na terceira semana de maio
Avaliação do governo Jair Bolsonaro na terceira semana de maio (Foto: Divulgação/XP/Ipespe)

+ Confira a pesquisa na íntegra

De acordo com a metodologia da pesquisa, que entrevistou 1000 eleitores de todas as regiões do País, os resultados estão em uma margem de erro de 3,2 pontos percentuais (para cima ou para baixo). Desde a primeira edição do levantamento, no dia 19 de janeiro, houve um aumento de 16 pontos percentuais no índice de rejeição de Bolsonaro e uma redução de 6 pontos percentuais nas avaliações positivas.

A pesquisa ainda consultou os eleitores acerca da importância das manifestações do último dia 15, contra os cortes de verba na Educação: 57% responderam que os protestos tiveram importância, 38% que não tiveram importância e 5% não soube ou não responderam.

Ainda em relação a esse tema, 86% dos entrevistados disseram que as manifestações provavelmente devem se repetir, 11% que provavelmente não irão se repetir e 4% não souberam ou não responderam.

Já em relação à percepção das notícias sobre o governo de Jair Bolsonaro, houve um salto de 11 pontos percentuais de pessoas que acham a cobertura mais desfavorável ao governo, com índice de 56%; 24% consideraram nem favoráveis nem desfavoráveis; 14% consideraram mais favoráveis e 7% não sabem ou não responderam.

Para 49% dos eleitores consultados, os maiores responsáveis pela situação econômica atual do País são os governos de Lula ou de Dilma Rousseff, ambos do Partido dos Trabalhadores (PT). 10% apontaram que a responsabilidade é do próprio governo Bolsonaro; 14% atribui ao governo de Michel Temer; 13% consideram a existência de fatores externos e 15% não souberam ou não responderam.

Parlamentarismo

A consulta ainda avaliou a preferência dos eleitores acerca do parlamentarismo: 70% afirmaram que o presidencialismo deve ser mantido; 18% que deveria mudar para o parlamentarismo e 12% não souberam ou não responderam.

Após o encontro de senadores para a criação de uma agenda própria, na última quarta-feira, 22, auxiliares do presidente Jair Bolsonaro consideraram que a simples menção da palavra “parlamentarismo” cheirava “a golpe”. Em 1993, um plebiscito rejeitou o parlamentarismo no Brasil, mas, em todas as turbulências políticas, o tema volta à tona.

Redação O POVO Online